Criador do “Circo de Laor”, ex-presidente do Santos morre aos 73 anos

  • Por Jovem Pan
  • 16/08/2016 07h48
Brasil, São Paulo, SP. 27/11/2011. O presidente do Santos Futebol Clube, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, entregou placa em homenagem ao gol marcado contra o Flamengo ao atacante Neymar durante jogo contra o Bahia, válido pela 37º rodada do campeonato brasileiro 2011, realizado no estádio Urbano Caldeira (Vila Belmiro). - Crédito:J. F. DIORIO/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/Codigo imagem:110644Laor

Morreu nesta terça-feira (16) aos 73 anos o ex-presidente do Santos Futebol Clube, Luís Alvaro de Oliveira Ribeiro, conhecido também como Laor. Ele estava internado no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, com um tumor maligno no reto.

Laor comandou o Santos de 2009 a 2014, época em que o clube do litoral paulista ganhou grande destaque nacional com a valorização de Neymar, que, em seu segundo ano de carreira profissional, já era assediado por grandes times europeus.

Numa engenharia financeira até então inédita para o futebol brasileiro, Laor e sua equipe conseguiu renovar o contrato do craque e lhe pagar aproximadamente R$ 1 milhão de salário mensal, por meio de parcerias com patrocinadores que exploravam a imagem do jogador hoje no Barcelona.

Outro “trunfo” de sua gestão foi repatriar o ídolo do Santos Robinho em 2010, contratado do rico time inglês Manchester City. Com Robinho, Neymar e Ganso, o Santos sagrou-se campeão da Copa do Brasil em 2010, época em que fez atuações memoráveis com grandes goleadas.

Exaltado naquele ano como grande administrador do futebol, Ribeiro ficou conhecido pela frase de que o Santos deveria “vender o espetáculo, mas não os artistas”, comparando o clube de Pelé e Neymar ao Cirque du Soleil.

Durante gestão de Laor, o Santos também conquistou o tricampeonato paulista (2010 a 2012), igualando marca de Pelé, e a Copa Libertadores da América de 2011, algo que não acontecia desde 1963, além da Recopa Sul-Americana em 2012.

Ainda no mandato como presidente do Santos, Laor teve que se afastar do cargo em 2013 para tratar a saúde, pois ele tinha um quadro de problemas pulmonares e cardíacos. Antes do fim do mandato, em 2014, renunciou. O vice Odilio Rodrigues assumiu o comando do clube e teve, mais tarde, as contas contestadas pela gestão do mandatário seguinte (e atual) Modesto Roma Jr.

Laor já tinha uma vida profissional reconhecida no mercado financeiro e imobiliário antes de atuar no futebol. Luís Álvaro foi conselheiro do Santos por 17 anos até 2009, quando conseguiu destronar Marcelo Teixeira, que estava há 10 anos na presidência do clube paulista.