Crise sem fim: Portuguesa acumula 7 rebaixamentos em 13 anos

  • Por Jovem Pan
  • 09/04/2015 09h49
SÃO PAULO,SP,08.04.2015:SÃO-PAULO-PORTUGUESA - Time da Portuguesa durante partida entre São Paulo e Portuguesa válida pelo Campeonato Paulista 2015 no Estádio Morumbi em São Paulo (SP), nesta quarta-feira (08). (Foto: Leandro Martins/Futura Press/Folhapress)São Paulo derrota a Portuguesa por 3 a 0; veja imagens

A Portuguesa foi derrotada pelo São Paulo na última quarta-feira e selou o que já havia sido desenhado desde o início da temporada, o rebaixamento para a Série A2 do Campeonato Paulista. Campeã estadual em três oportunidades (1935, 1936 e 1973), a neste ano a Lusa somou apenas 13 pontos em 15 jogos, foram duas vitórias, sete empates e seis derrotas.

O Rebaixamento em 2015 é o sétimo em apenas 13 anos, e o pesadelo do torcedor rubro-verde para não ter fim.

O primeiro rebaixamento da história da Lusa aconteceu no Campeonato Brasileiro de 2002. A coisa ficou pior em 2006, quando o descenso chegou também no Paulista.

Em 2008, a Lusa retornou à elite do futebol nacional, mas não durou muito. No final do Brasileiro daquele ano, um novo rebaixamento. A volta a primeira divisão do paulista durou um pouco mais. Foram 5 anos na A1, até que, em 2012, a Portuguesa voltou a ser rebaixada, uma queda ainda mais sentida por torcedores, já que um ano antes a equipe havia feito ótima campanha na Série B do Brasileiro com o time apelidado de Barcelusa.

Em 2012, o torcedor rubro-verde respirou aliviado sem rebaixamento no Brasileiro. A temporada 2013 parecia seguir o mesmo caminho, mas o caso Héverton, jogador que foi escalado irregularmente na última rodada do campeonato, rendeu uma punição que retirou pontos e rebaixou a Lusa. O rebaixamento de 2013 gera reflexos até hoje no clube.

No ano seguinte, disputando a Série B, e com uma crise sem fim, um novo rebaixamento português. Agora para a Série C do Brasileiro. Neste ano, com problemas políticos que levaram a renúncia do presidente Ilidio Lico e a interdição do Canindé que obrigou a equipe a jogar em Barueri para públicos minúsculos, colaboraram para mais uma queda que afunda a Portuguesa ainda mais em sua crise sem fim.