Cruzeiro cita “manobra” do Atlético-MG e desiste de receber ingressos da final

  • Por Jovem Pan
  • 11/11/2014 16h47
Light Press Se depender da atuação do futebol paulista

O Cruzeiro, por meio de seu site oficial, divulgou na nota de repúdio em relação à forma como a diretoria do Atlético-MG conduziu a disponibilização de ingressos para o jogo de ida da decisão da Copa do Brasil. A Raposa enviou nesta terça-feira (11) um ofício à Confederação Brasileira de Futebol (CBF), explicando os motivos que levaram o clube a desistir de receber a cota de ingressos oferecida para o duelo desta quarta-feira (11), às 22h (de Brasília), no Estádio Independência.

De acordo com o Cruzeiro, o clube foi “surpreendido com um ofício do Atlético-MG alegando que apenas 1.871 ingressos seriam repassados ao clube visitante, diferente do que manda o Regulamento Geral das Competições, o qual determina um total de 10% da capacidade total do estádio, ou seja, no caso do Independência 2.331 ingressos”.

O Cruzeiro ainda contesta o prazo estipulado pelo arquirrival para que a venda de ingressos do clube visitante seja feita. O Estatuto do Torcedor prevê um prazo de 72 horas, mas o Atlético-MG só deu condições para a operação ser iniciada 30 horas antes da partida.

Ao final do comunicado oficial, a diretoria do Cruzeiro “lamenta ainda que a nossa torcida não possa comparecer ao primeiro jogo da final devido às manobras da diretoria do Atlético-MG”.

Confira, na íntegra, a nota de esclarecimento divulgada pelo Cruzeiro:

Da Sede Administrativa

O Cruzeiro Esporte Clube enviou no começo da tarde desta terça-feira um ofício à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) relatando os motivos que levaram o Clube a desistir de receber a cota oferecida de ingressos a que tinha direito no primeiro  jogo da final da Copa do Brasil, marcado para esta quarta-feira, às 22h, no estádio Independência.

Hoje (terça-feira), às 10h50, o Cruzeiro Esporte Clube foi surpreendido com um ofício do Atlético-MG alegando que apenas 1.871 ingressos seriam repassados ao clube visitante, diferente do que manda o Regulamento Geral das Competições, o qual determina um total de 10% da capacidade total do estádio, ou seja, no caso do Independência 2.331 ingressos. O Cruzeiro contesta ainda os prazos estipulados pelo Atlético-MG para que os ingressos pudessem ser comprados pelo clube visitante e revendidos à nossa torcida. Apesar do Estatuto do Torcedor prever um prazo de 72 horas para que essa operação seja realizada, o clube mandante da primeira partida pretendia que a mesma fosse executada apenas a 30 horas do início do jogo.

Diante dos fatos apresentados com o descumprimento das normas do Regulamento Geral da Competição e do Estatuto do Torcedor, o Cruzeiro Esporte Clube não concorda em aceitar uma cota menor da prevista, além de não ter como formalizar uma operação de venda dos ingressos em um prazo tão curto.

A diretoria lamenta ainda que a nossa torcida não possa comparecer ao primeiro jogo da final devido às manobras da diretoria do Atlético-MG.