Daniel Alves critica ex-jogadores comentaristas: “faziam as mesmas mer***”

  • Por Agência Estado
  • 16/11/2015 19h20
SALVADOR, BA, 16.11.2015: FUTEBOL-SELEÇÃO - Daniel Alves durante coletiva após treino da seleção brasileira, nesta segunda-feira (16) no estádio de Pituaçu em Salvador, em preparação para a partida contra o Peru na Arena Fonte Nova, válida pelas eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo 2018. (Foto: Thiago Bernardes/FramePhoto/Folhapress)Daniel Alves criticou o modo como a imprensa brasileira analisa a Seleção Brasileira

O lateral-direito Daniel Alves fez duas críticas nesta segunda-feira a ex-jogadores que hoje trabalham como comentaristas esportivos. O atleta do Barcelona atacou principalmente o fato de os veteranos não compreenderem possíveis erros cometidos pelos jogadores atualmente. 

“Hoje em dia, as pessoas falam de futebol como se fosse fácil jogar. Vejo até pessoas que já jogaram e sabem como é difícil acertar um passe, um cruzamento ou fazer um gol falar como se fosse fácil. Eles faziam as mesmas cagadas e merdas que a gente faz hoje”, disse Daniel Alves em entrevista coletiva realizada no Estádio Pituaçu, onde a seleção brasileira fez o seu último treino antes do jogo desta terça, contra o Peru, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.

Na tenda montada pela CBF e onde foi realizada a entrevista estavam os ex-jogadores Casagrande e Júnior. Ambos trabalham atualmente como comentaristas na TV Globo.

Para Daniel Alves, a imprensa brasileira é “muito crítica e pouco paciente”. “Aqui no Brasil a energia é um pouco pesada. Lá (na Europa) é tudo mais suave. Até a imprensa mesmo. Aqui quando falam que o treino só será liberado 15 minutos, uns ficam chateados, outros entendem. Nosso País é muito crítico e pouco paciente”, disse.

O lateral, no entanto, admitiu que a seleção brasileira não vive um bom momento. Para o jogador, o Brasil só será temido pelos adversários se voltar a jogar bem, e não devido ao passado de conquistas da equipe.

“Evidente que hoje não há uma facilidade tão grande como antigamente, mas temos que nos adaptar a isso e melhorar para construir uma equipe equilibrada. O respeito a gente tem que conquistar através de grandes atuações, sendo uma equipe equilibrada, e não pela história.”