“De chinelão”, Muricy pensa em ser gerente e revela desejo de intercâmbio

  • Por Jovem Pan
  • 10/05/2015 14h03

Muricy Ramalho não é mais o técnico do São Paulo

Muricy Ramalho

Em fase de recuperação após retirar pedras da vesícula, cirurgia que o afastou do futebol, Muricy Ramalho conversou com a reportagem Jovem Pan neste domingo (10) e destacou que está aproveitando essa fase de sua vida em que pode ficar em casa, aproveitando a família. O treinador quatro vezes campeão Brasileiro afirmou que não deve voltar a trabalhar em 2015, comentou a possibilidade de retornar ao futebol como um gerente de futebol, e ainda afirmou que gostaria de fazer intercâmbio com treinadores europeus.

“Estou gostando (de ficar sem trabalhar por um tempo) porque estou voltando a ser uma pessoa normal. Hoje estou passeando com a minha família. Estou me sentindo bem sendo uma pessoa normal, estou indo ao supermercado com a minha esposa. Coisa comum, que pra mim é importante. Vou descansar porque o estresse me fez mal. Tive proposta pra sair do país, mas esse ano vou ficar sem trabalhar” comentou o bem-humorado Muricy.

“Hoje não estou com vontade (de retornar ao futebol), estou vendo o outro lado, posso ficar em casa, estou com a família na casa da minha sogra. Eu sou um cara de coisas simples, você falou de ir ao supermercado, e é assim mesmo, com relação ao preço, eu cobro mesmo”, disse.

Passando o dia das mães na casa de sua sogra, Muricy brincou e disse que estava cozinhando para a família, e ainda destacou seus dotes culinários: “Estamos fazendo churrasco. Faço um bom risoto, mas hoje estamos no quintal, estou de chinelão. Estou como eu gosto de ser”, completou.

Com uma carreira consolidada como treinador, Muricy diz que o estresse da função faz mal para a saúde e afirmou que pensa em se preparar para assumir um cargo diferente em algum clube: “já pensei (em trabalhar como gerente de futebol), tenho experiência para isso e é uma área que eu acho que temos que melhorar muito. Aquele meio campo do técnico com o clube. Isso é importante demais. E acho que no Brasil falta um pouco profissionalismo em todas as áreas do futebol, até melhorou um pouco, mas falta muito. Claro, vou começar a pensar nisso, estudar o assunto. É muito cedo para voltar a trabalhar, mas vou estar atento ao mercado, é uma área que posso ajudar”, declarou.

Muricy comentou a situação de Milton Cruz que assumiu o comando do São Paulo após sua saída. O ex-treinador destacou que  se fosse da direção tricolor, deixaria Milton Cruz do jeito que está, sem pressão: “Na minha opinião, a diretoria tem que deixar ele assim, ele está indo sem pressão, e está dando certo. Eu disse isso a eles, deixa ele a vontade, deixa ele indo. Se assinar contrato, com certeza, no primeiro deslize, vão começar a pegar no pé”.

Campeão comandando São Paulo, Santos, Internacional, Fluminense, Muricy destacou que gostaria de estudar futebol na Europa, por exemplo, com Guardiola. Mas destacou que para ser um intercâmbio proveitoso, precisaria ter as portas do clubes europeus abertas:

Concordo com algumas coisas que temos que melhorar. Mas esse negocio do intercâmbio, falam que o cara precisa se reinventar. E eu tive experiência no lugar onde passei, ex-jogador pede pra ficar no clube e eu falo que tem que ficar no mínimo de 10 a 15 dias pra ser intercâmbio. Porque o cara tem que ver a parte física, tem que ver a parte técnica, a parte tática, que é o final do trabalho, e por último, tem que ver a parte da fisiologia, tem toda a tecnologia que existe, e até a preleção. Isso sim é um intercâmbio. Eu até gostaria, vou tentar. Mas só se me abrir desse jeito. Esse negócio de ir lá, tirar fotografia com o cara, conversar 5 minutos e falar que fez um curso, não concordo com isso. O mais importante não é a conversa, é o treinamento”, exclamou o treinador de 59 anos.