De Formiga e Serginho a Bolt e Phelps: veja quem se aposentou dos Jogos no Rio

  • Por Jovem Pan
  • 19/08/2016 17h31

Usain Bolt foi apenas um dos muitos astros que escolheram a Rio-2016 como última Olimpíada de sua vida

Usain Bolt foi apenas um dos muitos astros que escolheram a Rio-2016 como última Olimpíada de sua vida

Jovens como Simone Biles, Katie LedeckyThiago Braz, Joseph SchoolingIsaquias Queiroz e Andre de Grasse chocaram o mundo com belíssimas exibições na Olimpíada do Rio de Janeiro. Porém, nem só de juventude se faz o principal evento esportivo do planeta. 

Se os Jogos de 2016 ficaram marcados pelo florescimento de novas estrelas desporte mundial, também serão lembrados pelo último ato olímpico de muitos astros. Não foram poucos os esportistas que escolheram a Rio-2016 como derradeira Olimpíada da vida

Abaixo, veja os principais atletas que se aposentaram dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro: 

Michael Phelps 

Maior medalhista olímpico da história, o nadador americano ganhou cinco ouros e uma prata em seis provas no Rio de Janeiro. Já havia anunciado o adeus depois dos Jogos de Londres, em 2012, mas resolveu voltar às piscinas para apagar as polêmicas se despedir em grande estilo. Aos 31 anos, garantiu que não competirá mais. Ele deixa a Olimpíada com 23 ouros, três pratas e dois bronzes.

Usain Bolt 

Primeiro tricampeão olímpico da história nos 100m e 200m, alcançou a categoria de “mito” no Rio de Janeiro. Aos 30 anos, não se vê competindo no mesmo nível daqui a quatro anos, em Tóquio. Por isso, garantiu que os Jogos do Rio foram os últimos de sua vida. O sonho de parar no auge foi realizado.

Formiga 

Única jogadora da história a participar de todos os torneios femininos do futebol olímpico, já tem 38 anos e anunciou que se aposentará da Seleção no fim de 2016. Medalhista de prata em Atenas e Pequim e quarta colocada em Atlanta, Sydney e no Rio, Formiga não aguentará disputar a sétima Olimpíada de sua vida. Outra que pode ter se despedido foi Cristiane, maior artilheira da história dos Jogos.

 

Fabiana e Sheilla 

Bicampeãs olímpicas, despediram-se da Seleção Brasileira feminina de vôlei no Rio de Janeiro. A central de 31 anos e a oposto de 33 já haviam cogitado se aposentar do time verde e amarelo em 2010, mas se sacrificaram e aguentaram mais um ciclo olímpico e meio. A dura derrota para a China nas quartas de final da Rio-2016 foi a última partida das duas pela Seleção. Jaqueline também pode se despedir da equipe, mas, antes, vai conversar com o marido, Murilo.

Manu Ginobili 

Maior jogador da história do basquetebol argentino, o ala-armador de 39 anos se aposentou da seleção albiceleste depois da eliminação para os EUA, nas quartas de final dos Jogos do Rio. Campeão olímpico em 2004, Ginobili também foi bronze em 2008. Além dele, os experientes Andrés NocioniLuis Scola e Carlos Delfino também devem se despedir da seleção até Tóquio. A Rio-2016, portanto, muito provavelmente foi palco da última apresentação da “Geração de Ouro” do basquetebol argentino.

Tony Parker 

Companheiro de Ginobili no San Antônio Spurso armador se aposentou da seleção francesa nos Jogos do Rio de Janeiro. Campeão europeu em 2013, Parker foi eliminado nas quartas de final no Brasil e se despede da seleção aos 34 anos de idade para priorizar a conquista de mais um título da NBA. Ele já tem quatro anéis da melhor liga do mundo.

Serginho 

Tinha se aposentado da Seleção masculina de vôlei em 2012, mas voltou atrás para se despedir no Rio de Janeiro. E o fez em grande estilo. Aos 40 anos, o melhor líbero da história ganhou o ouro e deixou o time verde e amarelo com dois títulos mundiais e quatro medalhas olímpicas (dois ouros e duas pratas). Nenhum brasileiro subiu tantas vezes ao pódio em esportes coletivos na história dos Jogos.

Maya DiRado 

Já desembarcou na capital carioca dizendo que a Rio-2016 seria a primeira e única Olimpíada de sua vida. Aos 23 anos, a nadadora americana ganhou dois ouros, uma prata e um bronze nas águas brasileiras e, a partir de agora, vai assumir uma vaga de analista de negócios em uma empresa de consultoria. Formada em gestão e engenharia pela tradicional universidade de Stanford, DiRado dizia que a falta de desafios intelectuais na natação lhe incomodava.

Bradley Wiggins 

Um dos maiores ciclistas da história, tem 36 anos e já anunciou que não disputará os Jogos de Tóquio, em 2020. No Rio, o britânico ganhou um ouro na perseguição por equipes e se despediu do principal evento esportivo do mundo com oito medalhas olímpicas.

Tiago Camilo 

Aos 34 anos, o judoca brasileiro foi eliminado precocemente no Rio de Janeiro e disse que não participará mais dos Jogos Olímpicos. Tiago Camilo vai se aposentar depois do Mundial de 2017, na Hungria. O paulista de Tupã se despede do maior evento esportivo do planeta com uma prata e um bronze.

 

Lin Dan 

Maior jogador de badminton do mundo, o chinês tem 32 anos e anunciou que não disputará os Jogos de Tóquio. Aposentou-se da Olimpíada com um quarto lugar, sem conseguir faturar o tricampeonato consecutivo na chave de simples.

Tamika Catchings 

Dona de quatro medalhas de ouro olímpicas, dois títulos Mundiais e um anel da WNBA, tem 37 anos e, antes de chegar ao Rio de Janeiro, já havia confirmado que os Jogos de 2016 seriam os últimos de sua carreira. A americana de 1,85m se aposentou do basquete depois da Olimpíada carioca. 

Fabiana Murer 

Maior saltadora com vara da história do Brasil, aposentou-se depois de mais uma frustração olímpica, no Rio de Janeiro. Murer despede-se do esporte com um título mundial e três participações decepcionantes nos Jogos. Em 2016, ela sofreu com dores provenientes de uma hérnia de disco e sequer passou das eliminatórias.

Abhinav Bindra 

Primeiro e único medalhista de ouro da Índia em esportes individual, foi campeão olímpico em Pequim-2008 no tiro esportivo. No Rio, carregou a bandeira de seu país na cerimônia de abertura, flertou com o pódio e abocanhou a quarta posição na categoria carabina de ar 10m. Aos 33 anos, disse que não viajará ao Japão para disputar os Jogos de 2020.

Marílson Gomes dos Santos

O maratonista competiu pela última vez nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Depois de cruzar a linha de chegada na 59ª posição, o fundista de 39 anos anunciou o fim da carreira. Marílson deixa o esporte com três titulos da São Silvestre, duas vitórias em Nova York, cinco mdalhas pan-americanas e um honroso quinto lugar na Olimpíada de Londres, em 2012.