Denúncia de corrupção relacionada ao GP da Europa é encaminhada a justiça

  • Por Agência EFE
  • 14/01/2015 15h30
No belo circuito de rua de Valência

A Promotoria Anticorrupção da Comunidade Valenciana quer que o Tribunal Superior de Justiça da região receba as denúncias contra o ex-presidente Francisco Camps, pela gestão do Grande Prêmio da Europa de Fórmula 1, que foi disputado no Circuito de Valência entre 2008 e 2012.

Informações sobre as supostas irregularidades, a que a Agência Efe teve acesso, foram enviadas pela Promotoria para o tribunal e apontariam para indícios concretos de crimes que poderiam ser creditados a Camps, que tem foro privilegiado por ser deputado autônomo.

As denúncias contra o político foram encaminhadas no dia 19 de dezembro. Nelas, o ex-presidente da Comunidade Valenciana é apontado como responsável, negociador e avalista de um suposto desvio de dinheiro público de forma contínua, com repasse a uma empresa chamada Valmor, recursos relacionados a organização do GP.

No texto enviado pela promotoria, foram apontados como cúmplices dos delitos, a ex-conselheira Dolores Johnson e o empresário e ex-piloto de motos Jorge Martínez Aspar. Camps, no entanto, seria o único com responsabilidade de decisão nas negociações com Bernie Ecclestone, presidente da FOM (Formula One Management).

A denúncia ainda aponta para uma série de repasses a empresas (Aspar, Fernando Roig e Bancaja – Valmor) que prestariam serviços para a realização de eventos no circuito de Valência. Todos os procedimentos irregulares teriam sido assinados por Camps, quando quem deveria fazer isso era o conselheiro regional da Fazenda.

Presidente da Comunidade Valenciana entre 2003 e 2011, Camps deixou o cargo depois de ser implicado em um escândalo de corrupção envolvendo o seu partido, PP. Posteriormente, o político acabou absolvido das acusações.