Diego Hypolito exalta resultado no Mundial e fala em “alma lavada” após medalha

  • Por Jovem Pan
  • 31/10/2014 17h04

Diego Hypolito conquistou a medalha de bronze no Mundial de Ginástica na China

Ricardo Bufolin/CBG Diego Hypolito

O Brasil fez história no Campeonato Mundial de Ginástica Artística de 2014, disputado na cidade de Nanning, na China, e terminou em sexto lugar por equipes no masculino, melhor resultado da história do país nesta competição. E um dos responsáveis pelo feito foi Diego Hypolito.

Em entrevista à Jovem Pan, o ginasta não escondeu sua felicidade por ter feito parte do time que entrou para a história.

“Eu fiquei muito contente por fazer parte desta equipe que ficou em sexto no mundo. Foi o melhor resultado da história da ginástica em termos de equipe, que conta a nota de seis atletas participando”, disse o atleta, que também faturou o bronze no solo.

“Fiquei muito contente por conseguir a minha quinta medalha em campeonatos mundiais. Eu já fui a nove campeonatos mundiais, em oito fui finalista e em cinco fui medalhista. Acho que valeu muito pela questão que eu era reserva. Eu era segundo reserva. Em cima da minha viagem para o Japão, que foi antes do Mundial da China, eu acabei sendo primeiro reserva, e no último dia antes da competição, duas horas antes, eu acabei sendo titular”, contou. “Foi por questão de lesões de outros atletas. Não queria que os meninos se machucassem, muito pelo contrário. Nós somos uma equipe, então é importante que a gente torça a favor de todos os atletas. Queria entrar totalmente por mérito, mas consegui fazer um bom trabalho na hora da competição, mostrando que eu também posso ser importante para a equipe nos outros aparelhos, sem ser o solo e o salto”, prosseguiu.

Diego Hypolito também revelou o motivo que fez a conquista da medalha no Mundial de Ginástica Artística ter um sabor ainda mais especial.

“A medalha do Mundial me deixou muito contente, pois foi alma lavada. Foram os dois anos mais complicados, após ser mandado embora do Flamengo, aí depois ser abraçado pela ASA/São Bernardo do Campo, que me contratou no momento em que eu estava mais indeciso na minha carreira, e isso, para mim, é muito motivacional, porque eu fui abraçado por uma equipe em um momento no qual eu precisava”, ressaltou.

Por fim, Hypolito também confessou que não concordou com o fato de ser reserva da Seleção Brasileira, mas que a oportunidade surgida em cima da hora fez com que ele conseguisse mostrar serviço.

“Óbvio que o meu objetivo é ser titular da Seleção, mas é um trabalho em conjunto, em equipe, então todos torcem a favor. Eu era segundo reserva, acabei não concordando inicialmente, mas continuei treinando, pois eu tenho que ter meus pés no chão. Não posso deixar de treinar e de acreditar em mim e acho que foi o que eu fiz. Não sou melhor do que ninguém. Todos treinam como eu, na mesma carga horária, a mesma disciplina, tem as mesmas regras, mas eu acreditei que tinha possibilidade de competir”, apontou. “Quando eu acabei entrando, eu tive que me concentrar bastante, pois se eu competisse mal, seria como se fosse uma prova do que eles estavam falando, como se eu não tivesse nível para representar a Seleção Brasileira, e isso acabaria resultado em eu ficar fora do Mundial do ano que vem e, possivelmente, fora das Olimpíadas”, finalizou.