Dilma diz a Blatter que Brasil está preparado para sediar “Copa das Copas”

  • Por EFE
  • 23/01/2014 16h09

A presidente Dilma Rousseff garantiu para Joseph Blatter que o Brasil vai fazer a melhor Copa de todas

Dilma Rousseff em encontro com Joseph Blatter

A presidente Dilma Rousseff se reuniu nesta quinta-feira em Zurique, na Suíça, com o presidente da Fifa, Joseph Blatter, a quem lembrou que o Brasil se empenhou para realizar a “Copa das Copas”, segundo informou a Presidência.

“O futebol é um esporte disseminado por todos os países do mundo. Mas eu queria reiterar que nós somos um país que tem nesse esporte uma paixão nacional”, afirmou Dilma em declarações recolhidas pelo blog presidencial de Planalto.

Durante o encontro, a presidente assegurou que o Brasil tem uma infraestrutura preparada para receber os turistas que chegarão com o Mundial de futebol 2014.

“Os estádios, os aeroportos, os portos, teremos todas as obras para ser um país que recebe bem. Podem vir ao Brasil e serão recebidos de braços abertos pelo povo brasileiro”, acrescentou.

Blatter, por sua parte, expressou a intenção da organização de transformar o Mundial em um “movimento muito especial pela paz” e antecipou que durante a partida de abertura da Copa entre Brasil e Croácia, que será realizada em São Paulo no dia 12 de junho, uma pomba será solta no ar.

Dita iniciativa, comentou Blatter, será realizada em colaboração com a fundação responsável do Prêmio Nobel da Paz, assinalou a Presidência brasileira através do blog.

“A Copa do Mundo da Fifa será disputada no Brasil, o país do futebol. Não há melhor país para falar de futebol. No final, tudo ficará bem, sobretudo no Brasil”, apontou Blatter.

Segundo o blog da Presidência, Blatter destacou que a Fifa “quer deixar um legado. Um aspecto importante é que em um país tão multicultural, onde todas as raças do mundo se encontram, é aberta a possibilidade para uma ação contra o racismo e a discriminação”.

Dilma, nesse sentido, apontou que o futebol pode ser uma ação afirmativa na luta contra o preconceito e o racismo, além de disseminar os valores da paz, do entendimento entre os homens e entre as nações.