Dilma rebate críticas da Fifa: “O que prometemos que não entregamos?”

  • Por Jovem Pan
  • 05/06/2014 10h47

Presidenta esteve acompanhada de autoridades políticasDilma faz vistoria na Arena Corinthians e ganha capacete dourado

A sete dias da abertura da Copa do Mundo, a presidente Dilma Rousseff parece estar confiante quanto a realização do torneio no Brasil. Em entrevista ao SBT, a chefe de Estado rebateu as críticas da Fifa sobre os atrasos nas obras, negou que haverá problemas de racionamento de energia durante a competição e disse que o pessimismo em torno do Mundial é devido ao “complexo de vira-lata” que o braisleiro possui.

Durante os últimos meses, a Fifa, por meio do secretário-Geral Jerome Valcke, vem fazendo duras críticas aos atrasos nas obras de infraestrutura e de estádios para o torneio. “Eles fizeram as mesmas coisas com a África do Sul, o mesmo discurso. O que prometemos que não entregamos? Entregamos toda a segurança, estádios, aeroportos, até mesmo a rede de fibra óptica para fazer com que todos os celulares funcionem. Teremos wi-fi nos estádios que disponibilizaram e toda rede 3G e 4G funcionará”, disse.

A presidente tratou de descartar os boatos negativos que rondam o Mundial às vésperas do torneio. “Disseram que os aeroportos não estariam prontos, que teria epidemia da dengue. Não há essa possibilidade, quando a temperatura cai. Também não teremos racionamento de energia nem durante, nem depois da Copa”, garantiu.

Dilma vê o Brasil preparado para a realização de uma competição de grande porte e opinou sobre a origem das críticas à Copa do Mundo no país. “Acho que isso é o complexo de vira-lata. A Copa aqui no Brasil será um sucesso. Nós estamos preparados dentro e fora de campo também”.

Sobre os protestos contra o Mundial, Dilma deixou claro que o governo não admitirá violência dos manifestantes. “uitos países reprimem as manifestações, mas nós nunca fizemos isso. A manifestação não tem culpa de que outras pessoas, com outros interesses, entrem e tentam criar depredações e ameaças físicas. Isso é inadmissível. Vamos garantir o direito das pessoas assistirem o futebol e se manifestarem. Sem quebradeira”, finalizou.

O Brasil enfrenta a Croácia na abertura do Mundial no dia 12 de junho, na Arena Corinthians, em São Paulo.