Diretoria do São Paulo nega salários atrasados para Muricy Ramalho

  • Por Wanderley Nogueira
  • 24/08/2014 15h12

Vitória colocou o TricolorMuricy comemora regularidade Tricolor após 3ª vitória seguida

Apesar da boa fase no Campeonato Brasileiro, nem tudo é festa no São Paulo. De acordo com a revista Veja, o clube deve três meses de salário para o técnico Muricy Ramalho. O Vice-presidente de finanças do clube, João Paulo de Jesus Lopes, e o presidente Carlos Miguel Aidar desmentiram a informação.

“Essa entrevista não vem de fonte esportiva, não é detalhada, não menciona nada. Três meses me chama atenção porque não tenho nenhuma queixa de quem é o maior interessado, o treinador. Não estou desmentindo a noticia, mas quero me aprofundar”, disse Lopes.

“Os salários do São Paulo, como ocorre a décadas, não estão atrasados. Por isso quero me profundar nessa questão, porque apesar da difícil conjuntura, o São Paulo tem uma situação privilegiada”, completou Lopes.

Já Aidar foi mais incisivo ao desmentir as especulações de que Muricy não vem recebendo o seu salário, insinuando até que a notícia é plantada para desestabilizar o grupo.

“Na verdade não sei da onde veio essa notícia, confesso que fui que pego de surpresa. É uma notícia maldosa. Até perguntei para o Muricy e ele negou. Não é verdadeira, plantada para desestabilizar o São Paulo”, atacou Aidar.

Apesar disso, tanto Aidar quanto Lopes admitem que a situação financeira do clube não é ideal em 2014, reflexo das eliminações na Copa do Brasil e Campeonato Paulista, Além das dificuldades impostas pela crise financeira mundial e a Copa do Mundo.

“É obvio que o futebol não vive seu melhor momento financeiro por causa da Copa. Foi muito ruim para os clubes, as verbas publicitarias se dirigiram praticamente para a Copa, para os eventos da Seleção. Por outro lado vivemos uma conjuntura internacional muito dificial. As grande empresas enfrentam retração econômica, as verbas publicitárias reduziram a própria copa obrigou que os clubes ficassem parados por um grande período. Existe um panorama financeiro no futebol de muita dificuldade”, explicou Lopes.

Aidar ainda ressaltou outro ponto, a falta de um contrato de publicidade para a camisa, erro da própria diretoria, de acordo com o dirigente.

“Estamos buscando patrocínio máster de esportes, é muito difícil encontrar, porque no meio do ano o orçamento das empresas esta fechado, foi um erro do são Paulo fazer o contrato até o meio do ano”, concluiu Aidar.