Dirigente da Fifa diz não acreditar que Copa de 2022 aconteça no Catar

  • Por Jovem Pan
  • 22/09/2014 12h18
Comitê executivo da Fifa resolve acabar com o rodízio de continentes a partir da Copa de 2018

As altas temperaturas devem impossibilitar que o Catar sedie a Copa do Mundo de 2022. É o que disse Theo Zwanziger, membro do comitê-executivo da Fifa, ao jornal alemão Sport Bild nesta segunda-feira (22). De acordo com o dirigente, o fator climático pode ser decisivo para uma alteração de sede.

“Eu pessoalmente acho que, no fim, a Copa do Mundo de 2022 não será no Catar”, disse Zwanziger. Ele ressaltou que os profissionais da saúde temem pela realização do torneio no pais: “Médicos dizem que não podem assumir a responsabilidade por um torneio realizado sob essas condições”. O Catar foi escolhido como sede em votação realizada em 2010. 

O país se defende das críticas assegurando que haverá tecnologica de refrigeração nos estádios. Contudo, o dirigente alerta que um torneio como a Copa do Mundo exige muito mais que estádios. “Eles podem ser capazes de refrigerar estádios, mas um Mundial não acontece somente lá. Torcedores do mundo todo vão chegar e viajar nesse calor, e o primeiro risco de morte vai levar uma investigação das autoridades. Isso é algo pelo qual os membros do comitê da Fifa não querem se responsabilizar”, disse.

A Fifa considera mudar o período tradicional de realização do evento [junho-julho], mas sofreu críticas das federações europeias que temem que uma alteração brusca no calendário influencie os principais campeonatos do continente.

Além da questão climática, o Mundial no Catar enfrenta outros obstáculos. Desde sua escolha, a Fifa vem sendo acusada de corrupção e o país vem sendo criticado pelas precárias condições de trabalho oferecidas aos operários que trabalham em prol da infraestrutura do evento.