Dolgopolov lamenta situação em Kiev: “Quero que acabe o mais rápido possível”

  • Por Agencia EFE
  • 21/02/2014 20h42

Rio de Janeiro, 21 fev (EFE).- A alegria do ucraniano Alexandr Dolgopolov com a classificação para as semifinais do Rio Open de tênis, obtida nesta sexta-feira com uma contundente vitória sobre o italiano Fabio Fognini, 14º colocado do ranking mundial e terceiro cabeça de chave, contrasta com a tristeza pela situação na capital de seu país.

A onda de protestos em Kiev contra o presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovich, deixou dezenas de mortos nesta semana. De longe, Dolgopolov disse estar acompanhando tudo consternado.

“Isso é triste. Pessoas morrendo no seu país, conflitos… Estou acompanhando os noticiários, meu amigos mandam notícias, e estou sempre informado sobre isso. Obviamente, isso não é bom. Não sou político, mas não há quem esteja certo. O que importa é que há pessoas morrendo. O que posso fazer é as pessoas se sentirem bem com minhas vitórias, mas obviamente quero que isso tudo acabe o mais rápido possível e que pessoas parem de morrer”, declarou o 54º colocado do ranking da ATP.

No entanto, Dogolpolov rechaçou a possibilidade de abandonar o Rio Open, uma medida parecida com a adotada por compatriotas durante os Jogos Olímpicos de Inverno, em Sochi, na Rússia.

“Essa foi uma decisão deles, uma decisão individual, mas não acho que seja necessário chegar a esse ponto. Da minha parte, não há muito o que eu possa fazer lá, posso apenas torcer para que isso acabe rápido. Acho que não vai mudar alguma coisa se eu parar de jogar. Eu estaria próximo a eles, mas não considero essa possibilidade no momento”, argumentou.

Sobre as semifinais, o ucraniano garantiu não ter preferência de adversário entre o brasileiro Thomaz Bellucci, que conta com o apoio da torcida, e o espanhol David Ferrer, número 4 do mundo.

“Não há muita diferença. Nas semifinais, todos os jogadores são muito bons. Ferrer é mais bem ranqueado, mas Bellucci está calmo, jogando em casa, e tenho certeza que jogará muito bem. Conheço os dois, e não tenho preferências, tenho apenas que me concentrar no meu jogo”, comentou. EFE