Dunga é cobrado em reunião na CBF, mas Rinaldi rejeita falar sobre demissão

  • Por Agência Estado
  • 05/04/2016 18h40
BRA58. RECIFE (BRASIL), 24/03/2016.- El director técnico de la selección brasileña de fútbol, Dunga, participa en una rueda de prensa hoy, jueves 24 de marzo de 2016, en la arena Pernambuco de Recife (Brasil). Brasil enfrentará a Uruguay este viernes en partido por las eliminatorias sudamericanas al Mundial de Rusia 2018. EFE/Sebastião MoreiraAcreditando na conquista do ouro olímpico

O trabalho do técnico Dunga à frente da Seleção Brasileira foi cobrado em reunião na tarde desta terça-feira, na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), com a presença inclusive do presidente licenciado Marco Polo del Nero. O treinador vem sofrendo pressão dentro da própria entidade e corria o risco de ser afastado do comando da Seleção olímpica.

Apesar disso, o coordenador de seleções, Gilmar Rinaldi, negou qualquer cobrança. No fim da tarde, após a reunião, ele apareceu no saguão da CBF para um breve discurso. “Não tenho muito o que falar”, afirmou, para depois dizer que não iria responder a nenhuma pergunta.

Segundo Rinaldi, a reunião desta terça serviu para tratar da programação da Seleção Brasileira para a Copa América Centenário e para os Jogos Olímpicos. “Fui almoçar com o presidente (Antonio Carlos) Nunes, como sempre, para passar um relatório. Normal”, declarou.

Questionado sobre a permanência dele e de Dunga à frente da Seleção, o coordenador relutou em responder. “É uma surpresa que estejam me fazendo essa pergunta. Minha função aqui era de tratar da programação”, insistiu. E garantiu Dunga à frente da Seleção olímpica. “Isso está definido há um ano e meio.” 

Na noite de segunda-feira, Rogério Micale foi confirmado por Gilmar Rinaldi como “auxiliar técnico” na Olimpíada. Ele vem comandando a equipe desde a saída de Alexandre Gallo, no ano passado. Andrey Lopes, o Cebola, e Marquinhos, preparador físico do Figueirense, também estarão no banco com Dunga durante o Rio-2016.