Dunga faz mistério sobre a escalação do Brasil na véspera de amistoso

  • Por Lancepress
  • 07/09/2015 17h42
EFE Apesar de querer testar novos jogadores

O período em que a Seleção Brasileira está passando nos Estados Unidos seria de observação, mas uma palavrinha com peso gigantesco pesa sobre a consciência de Dunga: cobrança. Por causa dela, o treinador está propenso a mandar a campo, contra os Estados Unidos, um time com o que tem de melhor, deixando um pouco de lado testes que serviriam para o início nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018.

“A primeira observação é depois do treinamento conversar com os jogadores para ver o desgaste de cada um. Depois, teremos de saber se colocaremos um time para ganhar ou para testar os jogadores. Todos sabem que a Seleção tem que ganhar. Vamos conversar internamente para solucionar esta equação”, considerou Dunga.

Na vitória sobre a Costa Rica, o comandante testou uma formação pensando na estreia na competição sul-americana. Como Neymar não vai poder jogar contra o Chile e a Venezuela, Lucas Lima ganhou uma posição no meio de campo, enquanto Willian, Douglas Costa jogaram mais adiantados, com Hulk fazendo o papel de centroavante.

A tendência natural seria a repetição desta formação, até porque Dunga abriu esta possibilidade ainda em Nova Jersey, onde afirmou que precisava dar mais oportunidades aos jogadores. Ele revelou que a sua intenção seria a de testar novos valores. No entanto, a exigência por vitória martela a cabeça.

“A minha ideia é fixa na observação de jogadores que ainda não tiveram muitas oportunidades, mas temos que relevar sobre aquilo que é cobrado constantemente. Eu só tenho uma chance: ganhar. Pode ser culpa da minha personalidade. As pessoas têm um pouco de pé atrás comigo, por isso sou obrigado a ganhar sempre. Seria bom que todos os envolvidos no futebol entendessem que, em alguns momentos, a gente precisa observar mais o jogo do que propriamente uma vitória. Essa cobrança imensa é normal, mas se tivéssemos um pouco mais de paciência, seguramente teríamos um rendimento ainda melhor”, declarou.

Esta questão ou equação, como Dunga prefere destacar, será solucionada e ficará guardada internamente. A Seleção fez um treinamento sem dar acesso à imprensa, que só pode acompanhar os 15 minutos finais da movimentação, no campo anexo do Gillette Stadium, local do duelo contra os Estados Unidos, nesta terça-feira.