Ecclestone diz que Fórmula 1 pode ter apenas 14 carros no grid em 2015

  • Por Jovem Pan
  • 01/11/2014 12h47 - Atualizado em 06/11/2017 11h39
Bernie Ecclestone não se mostrou a favor da presença de mulheres pilotando carros de Fórmula 1

Categoria mais nobre do automobilismo, a Fórmula 1 não vem passando por bons momentos. Nesta semana, a Caterham e a Marussia preferiram se ausentar do Grande Prêmio dos Estados Unidos para tentarem ‘ajeitar a casa’, já que ambas vem passando por crise financeira e estão atrás de novos parceiros para não fecharem as portas.

Com o afastamento das duas equipes, o GP em Austin terá apenas 18 carros no grid, o menor número desde o GP de Mônaco de 2005, quando também havia 18 máquinas. Em entrevista à Sky Sports, Bernie Ecclestone, chefe da categoria, não se mostrou preocupado com a situação destas escuderias, mas admitiu que a principal categoria do automobilismo pode contar com apenas 14 carros.

“Este número pode cair para 14. Se perdermos mais dois times, é isto que vai acontecer. Não posso prever se vai ou não. De qualquer jeito, não tem porque fazer drama se forem 18 (equipes)”, declarou o mandatário.

Ao ser questionado sobre necessidade de a F-1 contar com times pequenos, Ecclestone deu uma dura resposta: “precisamos deles se eles funcionarem de forma apropriada e não se ficarem mendigando”.

Além da Caterham, que pode fechar dentro de suas semanas, caso um novo investidor não seja encontrado, e da Marussia, a Lotus e a Sauber também parecem estar passando por grandes dificuldades financeiras. Neste cenário, Monisha Kaltenborn, chefe da Sauber, chegou a declarar que ela está em um estágio “além da frustração” pelo fato de a bilionária Fórmula 1 não conseguir garantir a sobrevivência de apenas 11 equipes.

Também em entrevista à Sky Sports, Bernie Ecclestone ressaltou sua frustração com os motores V6 que foram introduzidos na categoria nesta temporada.

“Precisamos mudar as regras. Dar um jeito nesses motores porque eles não fazem nada para ninguém. Eles não são Fórmula 1”, disse o dirigente britânico.