Elano defende Neymar e critica postura santista com ídolos recentes

  • Por Jovem Pan
  • 22/02/2014 18h31
elano_051011

O meia Elano pode ser considerado um ídolo recente da história santista. Campeão brasileiro com o clube em 2002 e 2004 e da Libertadores em 2011, o jogador não se surpreende com o tratamento dado pela diretoria do Santos com outro ídolo recente do clube: Neymar, que vem sofrendo críticas por causa de sua polêmica negociação com o Barcelona. Para Elano, a equipe da Vila Belmiro não dá o devido apoio aos seus ídolos. 

► Confira a tabela do Campeonato Paulista

“”Eu acho que o Santos, independente de dinheiro, tinha que tomar partido do lado dele, para tentar colocar uma explicação clara do pai dele com o presidente. Não vir a público e o colocar uma situação dessa. Porque metade dessa diretoria que está lá se fez com o nome do Neymar, com o Neymar fazendo gol dentro do campo, dando título para o Santos. Aí o cara vem a público e critica o menino dessa maneira”, atacou o meia. 

Neymar e seu pai estão envolvidos em uma prolongada briga com a diretoria santista e o ex-presidente Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro devido a sua contratação pelo Barcelona. Sandro Rossel, ex-presidente do clube catalão, renunciou no começo do ano por causa das investigações da justiça espanhola sobre uma suposta apropriação indébita durante a contratação do brasileiro. O Santos ataca o pai de Neymar por causa de diversos valores recebidos diretamente às empresas administradas por ele, com a diretoria santista avaliando  se o jogador recebeu dinheiro por fora da negociação, passando o clube para trás. 

Para Elano, tais especulações são normais na Baixada Santista. Segundo ele, todos os ídolos recentes saíram pela porta dos fundos devido a uma série de especulações vindas de dentro do clube que forçavam os jogadores a mudarem de ares. 

“Quando eu saí eu fui criticado, inventaram até que eu tinha brigado com o Muricy, mais cedo ou mais tarde as coisas vão aparecendo. Não foi só comigo. se fosse só comigo, sei lá, mas não é possível que todo mundo esteja errado. O Neymar se pronunciou, o Ganso, eu, o Robinho a mesma coisa, então não acredito que eu seja o errado no partido que tomei lá atrás, porque eu não queria estragar a minha história no Santos, porque você não consegue explicar para o torcedor o que está acontecendo no dia a dia. Eu simplesmente no momento em que mais precisei da diretoria do Santos eu não tive apoio, por um motivo ou outro eu não tive”, disse.

Elano voltou para a equipe alvinegra em 2011, mas depois de um ótimo começo, sofreu muito com lesões e problemas pessoais. Reserva da equipe de Muricy Ramalho, o jogador teoricamente ficava no banco devido a brigas com o treinador. No final acabou se transferindo para o Grêmio antes de fechar com o seu atual clube, o Flamengo.

O meia ainda lembra o caso de Chicão, seu companheiro na equipe rubro-negra e campeão mundial pelo Corinthians, para mostrar como os clubes brasileiros não valorizam os seus ídolos. 

“O que o Chicão ganhou no Corinthians e eu no Santos? Na Europa, o cara fica o resto da vida dentro do clube. Tem o respeito, tem o carinho e jogando ou não jogando ele vai ser importante. Então o jogar ou não jogar, faz parte o treinador não colocar, não que o cara queira ficar lá sem fazer nada, mas normalmente no Brasil quando você ganhou e não está jogando com frequência, você já não tem mais o respieto de ninguêm. Aí eles começam a querer te tirar aos poucos. Às vezes você tem que sair para que tudo o que você fez no clube não seja apagado”, lamentou.