Ele foi perseguido e deixou o São Paulo como “vilão”. Hoje, é capitão do Grêmio

  • Por Jovem Pan
  • 22/07/2016 17h47
Lucas Uebel/Grêmio/Divulgação

Grêmio e São Paulo vão se enfrentar neste domingo, às 16h (de Brasília), pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro. O duelo de tricolores será crucial para as pretensões das duas equipes na competição nacional, mas terá um gostinho especial para Maicon. Se hoje é titular absoluto e capitão do time gaúcho, há um ano o volante deixava o São Paulo pela porta dos fundos, em desgraça com a torcida. 

Sempre muito sincero, Maicon conversou com exclusividade com Márcio Spimpolo, em entrevista que vai ao ar no próximo Plantão de Domingo, da Rádio Jovem Pan, e falou sobre como será reencontrar o ex-clube na Arena do Grêmio, em Porto Alegre. Apesar de tratar a partida como outra qualquer, o volante sabe que muitas sensações estarão em jogo quando o árbitro autorizar o início do confronto. 

Ele, afinal, saiu do São Paulo em clima de guerra com a torcida. Apesar de ter jogado no clube do Morumbi por três anos, foi “pego para Cristo” pela torcida são-paulina, que o vaiava em praticamente todas as partidas do time. Hoje, Maicon considera ter sido perseguido pelos torcedores tricolores. 

“Quando não ganha títulos, a cobrança vem, e, às vezes, a torcida tira um jogador para criticar. Mas eu sempre fui tranquilo… Era usado por todos os técnicos que passaram pelo São Paulo no período em que fiquei no clube. Tenho certeza de que não era eu o problema“, afirmou o jogador, que aguentou as reclamações do são-paulinos por três temporadas.  

Em 2015, Maicon foi emprestado ao Grêmio, clube que o comprou no início deste ano. O volante, que tem contrato com a equipe gaúcha até junho de 2019, disse que suportou a pressão da torcida são-paulina o máximo que pôde. Chegou uma hora ali que eu percebi que não dava mais para ficar. Precisava ir embora e procurar novos desafios. Hoje, vejo que fiz a escolha certa, porque tenho jogado direto e sou capitão de um grande clube como o Grêmio, comemorou. 

O estopim, que fez Maicon ter a certeza de que deveria sair do São Paulo? Ele não se esquece. “Foi em um jogo contra o Capivariano, pelo Campeonato Paulista. Eu estava jogando bem, tinha dado duas assistências, mas bastou eu pegar na bola depois de o São Paulo levar um gol para a torcida me vaiar“, contou. Faz parte você receber críticas e elogios no futebol, mas, quando vira perseguição, o jogador também cansa e vai em busca de novos desafios“, decretou. 

Maicon estará em campo contra o ex-clube neste domingo, às 16h (de Brasília), na Arena do Grêmio, em Porto Alegre. O jogo será importantíssimo para os dois times no Campeonato Brasileiro. Se perder, a equipe gaúcha correrá o risco de ficar oito pontos atrás do líder, Palmeiras. Por outro lado, se for derrotado, o São Paulo poderá ver a distância para o G-4 subir para sete pontos.