Eliminado em cinco mata-matas, Kleina deixa Palmeiras com título da Série B

  • Por Bruno Olivera/ Jovem Pan
  • 08/05/2014 14h54
Gilson kleina - Palmeiras

Contratado há 20 meses para substituir Luiz Felipe Scolari, o treinador Gilson Kleina está fora do Palmeiras. Após o clube alviverde ser derrotado em seus últimos três jogos (Fluminense, Flamengo e Sampaio Corrêa), a diretoria presidida por Paulo Nobre optou por rescindir o contrato do treinador, que encerra sua passagem pelo time paulista sete meses antes do fim de seu vínculo e com um título do Campeonato Brasileiro da Série B no currículo.

Então treinador da Ponte Preta, Kleina foi contratado ainda na gestão de Arnaldo Tirone, em setembro de 2012, com objetivo de evitar o rebaixamento na competição nacional. Entretanto, em situação complicada na tabela de classificação e com elenco deficitário, o treinador não conseguiu ter êxito em sua missão. Além disso, foi eliminado na Copa Sul-americana daquele mesmo ano.

Em janeiro de 2013, Tirone deixou a presidência do Palmeiras e Paulo Nobre assumiu o cargo. Fã declarado de Vanderlei Luxemburgo, o mandatário jamais teve plena confiança no trabalho de Kleina, que foi mantido no cargo por receber salário menor do que técnicos renomados do cenário nacional.

A primeira ameaça real de Kleina ser demitido por Nobre aconteceu ainda no Campeonato Paulista do último ano, quando o time alviverde foi goleado por 6 a 2 pelo Mirassol, sofrendo seis gols no primeiro tempo pela primeira vez em sua história. Apesar da derrota vexatória, o treinador foi mantido para sequência da temporada, onde o Palmeiras ainda seria eliminado no próprio Estadual, Copa Libertadores da América e Copa do Brasil.

No Campeonato Brasileiro da Série B, o clube alviverde não encontrou maiores dificuldades para garantir o retorno a elite do futebol nacional com seis rodadas de antecedência. Na sequência, assegurou o título da segunda divisão, sendo este o maior troféu de sua carreira no futebol profissional.

Após o título da Série B, as atenções se voltaram para renovação contratual do treinador, que tinha vínculo até dezembro do último ano. Apesar do troféu, a diretoria do clube alviverde tentou acerto com o técnico Marcelo Bielsa, mas não teve sucesso por causa dos valores pedidos pelo argentino. Com isto, após longa negociação com cláusulas de produtividade, acabou estendendo o vínculo de Kleina até o final desta temporada.

Em 2014, o Palmeiras embalou sequência de seis vitórias logo no início do Campeonato Paulista, mas não conseguiu manter o rendimento e acabou eliminado pelo Ituano nas semifinais, no Pacaembu. Já no Brasileiro, triunfou apenas diante do Criciúma na primeira rodada, sucumbindo diante de Fluminense e Flamengo na sequência. A derrota por 2 a 1 diante do Sampaio Corrêa, nesta quarta-feira, no Castelão, foi o limite para os dirigentes.

Em 20 meses, Gilson Kleina comandou o Palmeiras em 105 oportunidades, somando 56 vitórias, 20 empates e 29 derrotas. Campeão da Série B, acabou eliminado em cinco competições de mata-mata neste período. Agora, deixa o clube alviverde em momento que planejava reconstrução da equipe, que recentemente perdeu nomes importantes, como o centroavante Alan Kardec (não renovou contrato) e o zagueiro Henrique (vendido ao Napoli-ITA).