Em jogo com pênaltis perdidos e expulsão, Bayern vence Arsenal por 2 a 0

  • Por Jovem Pan
  • 19/02/2014 18h50

Robben foi um dos destaques da partida e sofreu o pênalti desperdiçado por Alaba

EFE Bayern vence Arsenal por 2 a 0 e abre boa vantagem para volta

Considerado para muitos conhecedores como as equipes com o futebol mais bem jogado da atualidade, Arsenal e Bayern de Munique mostraram o motivo de receberam tal alcunha. Em jogo muito movimentado, com pênaltis perdidos e expulsão, o atual campeão da Liga dos Campeões aproveitou a vantagem numérica e derrotou os Gunners por 2 a 0, na tarde desta quarta-feira (19), em pleno Emirates Stadium, em Londres.

O primeiro gol foi marcado por Kross, aos 9 minutos da etapa final. O último golpe foi dado por Thomas Müller, aos 42.

Como ocorreu na temporada 2013/2014, quando venceram por 3 a 1, os bávaros levam uma vantagem de dois gols para Munique. O Arsenal tenta manter as esperanças e se inspiram na partida que fizeram na Allianz Arena, quando derrotaram os alemães por 2 a 0. A partida acontecerá no dia 11 de março.

O primeiro lance de perigo da partida já mostrou que ambas as equipes não iriam ficar na defesa esperando um erro para fazer o gol. Após boa arrancada de Chamberlain, logo no primeiro minuto, o Bayern exigiu logo em seguida uma grande defesa de Szczesny, que buscou chute de Kross, no ângulo esquerdo.

O Arsenal não sentiu a pressão e logo foi para cima e abusando da velocidade de Chamberlain e Cazorla, chegou com perigo. Em boa jogada tramada, aos 6, Chamberlain cruzou para dentro da área e após confusão, Sanogo finalizou colocado e Neuer mostrou bons reflexos para espalmar.

Com muita velocidade por parte dos bávaros e dos londrinos, a partida mostrou que teria muitas emoções e ela veio logo cedo. Aos 7, Özil invadiu a área, deu belo drible em Boateng e foi derrubado pelo seu companheiro de seleção. Na cobrança da penalidade, o meia cobrou no meio e Neuer defendeu com o braço direito.

Mesmo após desperdiçar a penalidade, os Gunners não baixaram as suas armas. Aos 22, Chamberlain ganhou na velocidade de Alaba e o goleiro da Alemanha precisou sair do gol para afastar o perigo.

Com a calma característica das equipes de Guardiola, o time de Munique chegou com perigo em lances com Robben aos 30, finalizando em cima da zaga e com Alaba, três minutos antes.

O prêmio pela calma dos atuais campeões da Liga chegou aos 36. Após receber ótimo lançamento por cima da zaga, Robben invadiu e foi derrubado pelo goleiro polonês do Arsenal. O árbitro expulsou o arqueiro e os Gunners tiveram que queimar a segunda substituição no primeiro, tempo, já que Gibbs havia saído contundido minutos antes.

Como Özil, Alaba foi para a cobrança e mandou na trave, deixando a primeira etapa em igualdade.

A vantagem de um homem a mais deu uma certa tranquilidade à Guardiola. O técnico sacou o amarelado Boateng e colocou o brasileiro Rafinha para não correr riscos. Abusando da posse de bola, os bávaros não deixavam os ingleses desenvolverem seu jogo.

Logo aos 9, o Arsenal sentiu os fantasmas da última temporada reviverem. Livre de marcação, Kross recebeu bola de Robben e com muita categoria, bateu de chapa no ângulo de Fabianski para abrir o placar a favor dos líderes da Bundesliga.

A partir daí, o Arsenal pouco pode fazer. Preocupado em sair para a partida e aumentar o prejuízo, a equipe de Wenger viu o Bayern passar praticamente todo o segundo tempo tocando a bola para chegar com mais espaço ao gol inglês.
As melhores chances vieram com Robben, com a sua jogada característica de receber pela direita e puxar para o centro, procurando uma chance para finalizar. Em duas delas, o holandês quase aumentou o placar.

Sem a necessidade de um homem referência, o ex-técnico do Barcelona mandou Müller a campo, no lugar de Mandzukic. Aos 20, o alemão quase chegou em bola cruzada por Rafinha. O francês, muito questionado no Arsenal por não ganhar um título desde 2005, tentou organizar o meio ao colocar o meia Rosicky, sem sucesso.

O castigo foi ainda maior no fim da partida. Aos 42, Lahm deu passe espetacular para Müller e o alemão não perdoou, fazendo o segundo e aumentando a vantagem para a volta, em Munique.

O Arsenal ainda viu Kross finalizar na trave aos 45 e rezou para que o árbitro encerrasse a partida, para quem sabe, voltar a fazer dois gols de diferença em Munique, como a última temporada.