Em preparação para 2016, Bolt passa a comer verduras para prolongar carreira

  • Por Agencia EFE
  • 21/07/2015 17h27
Bolt não disputará etapas de Paris e Lausanne da Liga Diamante

O jamaicano Usain Bolt, campeão olímpico e recordista mundial de 100 e 200 metros, afirmou que um dos maiores sacrifícios que precisou fazer para prolongar a carreira foi deixar de comer fast-food para aderir às verduras e garantiu que competirá em alto nível nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Em entrevista divulgada no site da Federação Internacional de Atletismo (IAAF), Bolt, de 28 anos, explicou que teve que renunciar a muitas coisas.

“Eu percebi que estava ficando mais velho na temporada passada, quando estava lesionado. Foi muito mais difícil voltar do que quando era mais jovem, agora preciso de mais corridas para recuperar a forma. Agora passei a comer saudavelmente. O maior sacrifício para mim é comer verduras o tempo todo. É fácil abrir mãos de quase tudo, mas comer bem é difícil”, comentou o velocista jamaicano, amante dos nuggets de frango.

Recuperado de uma lesão na bacia, Bolt reaparecerá na próxima sexta-feira na disputa dos 100 metros pela Diamond League em Londres.

Sobre os Jogos Olímpicos do ano que vem, no Rio de Janeiro, os terceiros da carreira de Bolt, o atleta considerou seu maior objetivo conquistar o ouro olímpico mais uma vez.

“Quero o melhor para mim, assim não sinto pressão. Eu foco no que é necessário, no que realmente quero e trabalho nessa direção”, comentou o atleta, treinado por Glen Mills.

Bolt recusou a ideia de se aventurar na prova de 400 metros, mas não descartou fazer parte do revezamento jamaicano 4×400 nos Mundial de Londres em 2017.

“Falei com meu treinador sobre isso e ele disse que eu talvez devesse tentar, mas não vai ocorrer (a tentativa nos 400 metros). Acho que encerrarei minha carreira nos 100 e 200 metros, embora tenha dito a algumas crianças do 4×400 que em 2017 farei os 100 metros e tentarei o revezamento 4×400”, revelou.