Ex-Corinthians defende Cristóvão e vê manobra da diretoria em demissão

  • Por Jovem Pan
  • 21/09/2016 17h22
ewerthon corinthians zaragoza cuspe racismo espanha

Cristóvão Borges foi demitido no sábado, minutos depois da derrota por 2 a 0 para o Palmeiras, mas segue sendo assunto no Corinthians. Bicampeão paulista e brasileiro pelo clube alvinegro, o ex-atacante Ewerthon conversou com a reportagem da Rádio Jovem Pan e defendeu o técnico baiano, dispensado após somente três meses de trabalho – a entrevista, que foi concedida a Fausto Favara, vai ao ar, na íntegra, no próximo fim de semana.

Revelado pelo Corinthians em 1998, Ewerthon, que também teve passagens por Borussia Dortmund, Zaragoza e Palmeiras, disse que Cristóvão foi quem teve a menor parcela de culpa pelo mau momento do atual campeão brasileiro. Para o ex-jogador, o técnico foi vítima de uma manobra da diretoria alvinegra, que o demitiu para amainar a pressão da torcida. 

É muito complicado… O time campeão brasileiro no ano passado foi desfeito, os jogadores que estavam atuando em bom nível também foram vendidos, então… Quem teve menos culpa nisso tudo foi o Cristóvão. Ele pagou por uma questão da diretoria, que, pressionada, queria tirar um pouco o foco dela“, avaliou Ewerthon, que integrou o elenco campeão mundial pelo Corinthians em 2000.

De acordo com o ex-atacante, Cristóvão Borges já chegou desprestigiado ao Corinthians. O técnico foi anunciado sem grandes alardes, após as recusas de Roger, Sylvinho, Fernando Diniz e Eduardo Baptista, e nunca foi unanimidade junto à torcida alvinegra – que pode, sim, ter ficado desacostumada com os diversos títulos conquistados pelo clube na era Tite. 

“O torcedor corintiano está acostumado a ver o clube disputando título. E a grande realidade é que, neste ano, a coisa está diferente. O Corinthians perdeu muitos jogadores importantes, que faziam a diferença…”, relativizou. “Cristóvão não teve tempo para trabalhar, para mostrar o seu verdadeiro potencial. Desde que chegou ao clube, foi muito questionado. A torcida não queria que ele tivesse assumido… Aí, fica difícil”, acrescentou. 

Neste momento, o Corinthians é o quinto colocado do Campeonato Brasileiro, a quatro pontos do G-4, e está a uma vitória de avançar às quartas de final da Copa do Brasil. Enquanto nenhum técnico é contratado, o time é comandado pelo auxiliar Fábio Carille – que, dependendo dos resultados, pode ser efetivado ou descartado pela diretoria alvinegra até o fim do ano.