Ex-Corinthians, Marquinhos superou depressão e tenta apagar briga com Tevez

  • Por Jovem Pan
  • 04/06/2015 17h36
Após passar por dificuldades na carreira e na vida pessoal

Quando se fala em zagueiro chamado Marquinhos que jogou no Corinthians, é fácil pensar no jogador do PSG que passou pela Roma e agora joga pela Seleção Brasileira. Entretanto, existe outro, mais velho, jogando no Figueirense, que ficou conhecido por uma briga com Tevez em 2005, mas tem muito mais história pra contar. Um pouco dessa história o jogador de 32 anos contou para a Rádio Jovem Pan.

Hoje disputando a Série A do Campeonato Brasileiro, Marquinhos disse que teve de dar um passo para trás ao voltar da Turquia, onde defendeu Çaykur Rizespor e İstanbul Başakşehir. “Foi uma passagem muito boa. Joguei numa equipe mediana, que este ano conseguiu se classificar para a Liga Europa. Amadureci muito na Turquia. Tive que dar uns passos para trás, jogar o Campeonato Paulista pelo Botafogo-SP, jogar a Série B no Guaratinguetá. E graças a Deus consegui chegar ao Figueirense para disputar a Série A”, disse.

Entretanto, a volta para o Brasil, em 2012, foi complicada. A mãe de Marquinhos faleceu bem no momento em que uma lesão o impedia de ter uma sequência de jogos. “Eu decidi voltar, repensar se queria jogar, porque estava tentando muito, mas jogava uma partida e ficava cinco fora. Tive algumas propostas para times de Série A, mas tinha na cabeça que não queria mais jogar. Depois de quatro meses vi que podia voltar, estava com 29 anos, e foi o que aconteceu”, relata o zagueiro que foi eleito o melhor do Campeonato Catarinense de 2015 e marcou um gol na vitória sobre o Cruzeiro na última rodada do Brasileirão.

Antes de ir para a Turquia, o atleta também sofreu com o falecimento do pai, entrou em depressão e contou com a ajuda de Emerson Leão para se reerguer. “Entrei em depressão e perdi 10 quilos. O Leão (treinador do Corinthians na época) me deixou ficar em casa, mas viu que eu estava pior, depressivo, e botou uma responsabilidade para mim”, conta. “Numa terça-feira ele me chamou no clube e falou: ‘você vai voltar a treinar e domingo você joga contra o Santos’. Isso me fez recomeçar. Depois ele me chamou e disse que fez isso justamente para ver se eu saía desse momento complicado”.

Outro problema na carreira, segundo Marquinhos, foi sua imaturidade no início – ele estreou como titular aos 17 anos. Uma briga com Tevez, em 2005, acabou marcando sua imagem no Brasil. “Nunca mais nos falamos. Eu fui o primeiro a sair do clube, eu queria desde o começo do ano, ser emprestado, pois não estava jogando, e eles não queriam me liberar. E aí com essa briga viram que eu estava com a cabeça longe dali, me liberaram e eu fui para o Atlético-MG. Depois, quando voltei, ele não estava mais”, disse o ex-corintiano. “Infelizmente fiquei marcado por isso, mas voltei ao cenário brasileiro para jogar e também para apagar isso. Agora quero fazer minha história. Mesmo com 32 anos, estou no melhor momento da minha carreira”.