Ex-dirigente da Fifa recebeu propina para votar no Catar, diz jornal

  • Por Jovem Pan
  • 18/03/2014 09h40
Logo Catar Copa 2022

A escolha do Catar como sede da Copa do Mundo de 2022 virou caso de polícia. Segundo informações do jornal britânico The Telegraph, o ex-vice-presidente da Fifa Jack Warner teria recebido 2 milhões de doláres de uma empresa do Catar para votar no país como sede do Mundial. A gravidade das denúncias é tanta que até o FBI estaria investigando o caso.

Ainda conforme o período britânico, o valor não teria ficado integralmente para o mandatário, tendo sido dividido por seus filhos e por um funcionário. A escolha do Catar como sede foi uma das mais controversas da história, mas o governo local segue negando veementemente as acusações de corrupção direcionadas aos mandatários da Fifa.

A suposta transação da propina teria sido recusada até por um banco das Ilhas Cayman por medo de haver uma ilegalidade. Segundo o jornal, o dinheiro teria sido transferido para um banco em Nova York, onde teria chamado a atenção do FBI. Warner era um dos mais experientes dirigentes da Fifa até que deve de deixar o cargo, em 2011, devido seguidas acusações de corrupção. Ele votou e decidiu as escolhas dos Mundias de 2018 (com sede na Rússia) e 2022 (com sede no Catar).