Ex-presidente do Flamengo revela plano para ter Robinho até o final de 2014

  • Por Jovem Pan
  • 25/07/2014 08h07

O atacante brasileiro Robinho marcou em vitória e ajudou o Milan a conquistar vaga nas quartas de final

Robinho comemora gol em jogo do Milan contra o Spezia

Sonhando alto. É assim que está o Flamengo, apesar de ocupar a lanterna do Campeonato Brasileiro. O ex-presidente Kleber Leite, em seu site oficial, deu detalhes sobre a negociação do clube com o atacante Robinho, que deixou o Milan recentemente e está muito próximo do Orlando City, mesma equipe que já contratou Kaká e o repassou ao São Paulo. O dirigente explica como se iniciou as conversações com o atleta e revelou até a alta quantia que o ex-santista ganharia para atuar por apenas cinco meses no rubro-negro carioca: 900 mil reais mensais.

De acordo com Leite, Luiz Eduardo Baptista, vice-presidente de marketing, estruturou um plano para comercial para localizar três empresas dispostas a dividir o salário do jogador. Em troca, o clube cederia a imagem do jogador e outros itens.

No Brasil, Robinho teve duas passagens pelo Santos, único clube que atuou em sua terra natal. Na Europa, o atacante teve passagens por Real Madrid, Manchester City e Milan.

Confira, na íntegra, o texto de Kleber Leite:

“O namoro do Flamengo com Robinho começou com Plínio Serpa Pinto desenvolvendo o tema com o ex-jogador Serginho, hoje, observador do Milan na América do Sul. Plínio deu corda, Serginho trabalhou a base rubro-negra italiana, e surgiu a possibilidade de Robinho vir somente pelo salário, com o Milan abrindo mão de qualquer cobrança pela liberação do jogador. Plínio passou a bola para o então vice de futebol, Wallim Vasconcellos.

De lá, para cá, outros personagens entraram na dança. O empresário Eduardo Uram foi credenciado pelo jogador para tratar da negociação no Brasil. O assunto evoluiu satisfatoriamente, até entrar no circuito a advogada do jogador, Marisa Adja que, independente do acerto de Robinho com o Flamengo, cobrava oitocentos mil euros de honorários (?). O Flamengo atropelou a gulosa advogada e passou a negociar direto com o jogador que, de agosto a dezembro receberia quatro milhões e meio de reais, isto é, novecentos mil reais mensalmente, durante cinco meses.

Um plano comercial foi montado pelo competentíssimo vice-presidente de marketing, Luiz Eduardo Batista, o nosso Bap. A ideia inicial era localizar três empresas, cada uma delas arcando mensalmente com trezentos mil reais, durante os cinco meses de contrato e, em contrapartida, teriam como benefícios, durante o mesmo período, a imagem do jogador e itens outros cedidos pelo Flamengo.

Tomara que esta historinha tenha um final feliz. Robinho, aos 30 anos, seria um extraordinário reforço. Muito mais que um reforço, Robinho poderia ser o ídolo, absolutamente fundamental a um clube popular”.