Falcão revela convite para disputar eleição da CBF e pede futebol mais claro

  • Por Jovem Pan
  • 20/12/2015 12h21

Paulo Roberto Falcão participa do Esporte em Discussão

Ana Cichon/Jovem Pan Paulo Roberto Falcão pediu clareza e respeito no comando do futebol brasileiro

O futebol é a grande paixão de Paulo Roberto falcão e ver inúmeros escândalos no esporte bretão entristece o Rei de Roma. Em entrevista exclusiva à Rádio Jovem Pan, o treinador, hoje no Sport, lamentou a crise vivida, principalmente na CBF, revelou convite para tentar ser presidente da Confederação e pediu clareza na direção do futebol brasileiro.

“Futebol emprega tanta gente e deveria ter maior cuidado na escolha das pessoas que dirigem, mas vejo isso como reflexo do nosso país hoje. O futebol, que nós sempre nos vangloriávamos que aqui não tinha escândalo, etc, hoje não temos condições de bater na mesa e dizer ‘lá se joga futebol porque é a cosia importante no país’”, disse Falcão.

“Eu imagino o torcedor, que gosta de Seleção e dos clubes, o que ele está sentindo nesse momento. Futebol deveria ser uma das coisas mais claras, porque mexe com paixão e quando se mexe com paixão, precisa ter respeito”, declarou o treinador.

Questionado se pensa em trabalhar na direção do futebol brasileiro, o ídolo da Roma e do Internacional revelou ter recebido convite para se candidatar a presidência da CBF, mas criticou o sistema eleitoral entidade e pediu mudanças.

“Uns dois anos atrás, um pessoal de Porto Alegre me procurou tentando me colocar para tentar ser presidente. Aí você se informa como se escolhe presidente, e é difícil. Se você tem as federações, ganha a eleição. Não dá pra entrar numa eleição que você já está perdendo. Deveria ganhar quem tem mais competência”, lamentou o ex-jogador.

Trabalho no Sport e a valorização do treinador

No comando do Sport desde setembro de 2015, quando assumiu a equipe após saída de Eduardo Baptista, Falcão comemorou o bom resultado no Brasileirão – a equipe pernambucana terminou na sexta posição. O treinador valorizou o trabalho da comissão técnica que fez bom trabalho com elenco e orçamento inferior ao dos rivais.

“O orçamento do Sport é muito inferior aos principais times que concorrem com a gente. Mas é gratificante a medida que você consegue um resultado excepcional, ficamos um ponto atrás do Inter, três atrás da zona de classificação, e tivemos três jogos com erros de arbitragem absurdos. Mas entendo que no tempo que tivemos, foi um trabalho muito bom. Os jogadores se empenharam nisso, a diretoria deu o apoio que precisávamos”, comemorou.

“Estamos com muitas dificuldades e os jogadores que são bons, são muito caros. Por isso precisamos ter muita criatividade e tempo para trabalhar. Mas depende: se compararmos com a qualidade dos anos 70, caiu bastante. E isso significa que o treinador tem que trabalhar mais. Por isso é importante do jogador na característica da montagem de um grupo, montar um grupo diante daquele esquema de jogo que você pretende jogar para que possa ter alternativas quando necessário”, completou o “Rei de Roma”.