Familiares terão cerimônia particular de 1h no velório, diz Chapecoense

  • Por Estadão Conteúdo
  • 01/12/2016 11h53
SC - FUTEBOL/CHAPECOENSE/TRAGÉDIA - ESPORTES - Torcedores da Chapecoense ocupam a Arena Condá, em Chapecó (SC), após missa celebrada na Catedral Santo Antônio, no dentro da cidade, nesta terça-feira, 29, em homenagem à vítimas do acidente envolvendo o avião que transportava a delegação do clube para Medellín, na Colômbia. 29/11/2016 - Foto: NILTON FUKUDA/ESTADÃO CONTEÚDOTorcedores da Chapecoense se reúnem na Arena Condá para homenagearem os jogadores

A diretoria da Chapecoense afirmou nesta quinta-feira que familiares e amigos íntimos das vítimas do acidente aéreo na Colômbia terão uma cerimônia particular de cerca de uma hora durante o velório a ser realizado na Arena Condá, em Chapecó. O velório deve ter início por volta do meio-dia de sexta, mas há a possibilidade de os corpos chegarem à cidade catarinense somente à noite. 

De acordo com Andrei Copetti, assessor de imprensa e porta-voz do clube, o estádio estará aberto para receber a torcida e a população em geral, após a cerimônia fechada. A organização espera receber cerca de 100 mil pessoas. O acesso do público será apenas nas arquibancadas. 

Depois de quatro horas de velório, os corpos serão liberados e as famílias poderão levá-los para suas respectivas cidades. Em Chapecó, permanecerão os corpos de pessoas ligadas à ao clube e os jornalistas locais. Segundo a assessoria da Chapecoense, ainda não foi confirmada a presença do presidente Michel Temer. Ainda segundo a assessoria, os 3 atletas sobreviventes estão estáveis e não correm risco de morte. 

Na coletiva, o assessor revelou que a Chapecoense tem recebido proposta de diversos clubes para jogos beneficentes. “Primeiros vamos enxugar as lágrimas, depois vamos pensar nisso. É preciso deixar claro que o Chapecoense perdeu o seu time, mas é um clube estruturado e que consegue, financeiramente, andar com as próprias pernas”, disse Coppeti. 

Em relação a empresa aérea LaMia, a assessoria afirmou que a aeronave já havia sido utilizada pelo clube e que nunca havia apresentado qualquer tipo de problema – e que a contratação da LaMia seguiu apenas critérios técnicos.