Felipão, Del Bosque e Deschamps, os técnicos que já foram campeões mundiais

  • Por Agencia EFE
  • 10/06/2014 18h58
Felipão confirma Hulk no ataque para enfrentar a Coreia do Sul

Com currículos que dispensam apresentações, os técnicos Luiz Felipe Scolari, o espanhol Vicente Del Bosque e o francês Didier Deschamps são os únicos entre os treinadores das 32 seleções da Copa do Mundo 2014 que já passaram pela experiência de ser campeão do torneio.

No comando da seleção brasileira, Felipão faturou o título na Coreia do Sul e no Japão em 2002. Depois, trocou o verde e amarelo pelas cores de Portugal, equipe que dirigiu na Copa da Alemanha em 2006 e pela qual foi vice-campeão da Eurocopa de 2004.

De volta ao Brasil em 2012, Scolari conduziu o time ao título da Copa das Confederações no ano passado e agora se prepara para tentar a conquista do hexacampeonato.

Del Bosque, que nunca disputou o torneio na época em que era jogador, chegará ao Brasil para defender o título conquistado na África do Sul em 2010. Este é o sexto ano do espanhol como comandante da “Fúria”, pela qual também foi campeão da Eurocopa em 2012.

Felipão e Del Bosque são os dois únicos treinadores na atual edição do torneio já foram proclamados campeões do mundo na função. No entanto, Didier Deschamps, comandante da França, levantou a taça como capitão da equipe na Copa de 1998, quando os anfitriões franceses venceram o Brasil por 3 a 0 na final. Dois anos antes, o ex-meia também foi campeão da Eurocopa.

Apesar da carreira bem sucedida como jogador, Deschamps não tem muita experiência como técnico da seleção em grandes torneios. Além de Del Bosque e Scolari, outros dez treinadores já estiveram presentes em Copas do Mundo.

Ao lado do técnico brasileiro, quem acumula a maior bagagem é o uruguaio Óscar Tabárez, que disputará a terceira Copa depois de participar das edições de 1990, na Itália, e de 2010, na África do Sul.

Jürgen Klinsmann, que agora dirige os Estados Unidos, também comandou a Alemanha em 2006 – antes, como jogador, participou com destaque dos Mundiais de 1990, 1994 e 1998. Já o compatriota Ottmar Hitfeld treinará a Suíça pela segunda vez consecutiva, assim como o também alemão Joachim Löw, que continua como técnico do país natal.

O italiano Fabio Capello, responsável pela Rússia, dirigiu a Inglaterra na África do Sul em 2010. José Pekerman, agora com a Colômbia, treinou a Argentina na Alemanha em 2006, enquanto Reinaldo Rueda, hoje no Equador, classificou Honduras para a Copa de 2010.

O veterano Roy Hodgson, técnico da Inglaterra, esteve com a Suíça nos Estados Unidos em 1994. Luis Fernando Suárez, agora em Honduras, dirigiu o Equador na Alemanha em 2006. Carlos Queiroz, que enfrenta o Brasil com o Irã, dirigiu Portugal na África do Sul em 2010.

Além disso, outros quatro técnicos participaram da Copa como jogadores. Destaque para o coreano Myong Bo Hong, que jogou quatro edições com a Coreia do Sul (Itália 1990, Estados Unidos 1994, França 1998 e Coreia Japão 2002).

Com o mesmo número, o belga Marc Wilmots participou de todas as edições entre 1990 e 2002, embora não tenha estreado na da Itália, em 1990. Ex-jogador de meio-campo, ele ainda é o artilheiro da Bélgica em Copas, com cinco gols. Para completar a lista, o bósnio Safet Susic participou de dois Mundiais, assim como o croata Nico Kovac.

No quesito treinadores, o futebol alemão tem o maior número de representantes na competição, com quatro nomes. Dando continuidade ao trabalho feito na Copa do Mundo de 2010, Löw é o técnico da Alemanha. A seleção de Camarões será dirigida por Volker Finke, Ottmar Hitfeld, comandará a Suíça e Klinsmann será o responsável pelos Estados Unidos.

Argentina, Colômbia e Itália contam com três técnicos cada, espalhados pelas demais seleções da competição. Alejandro Sabella com a Argentina, Jorge Sampaoli no Chile e José Pekerman, como técnico da Colômbia, são argentinos. Os colombianos do torneio são Jorge Luis Pinto, com Costa Rica, Reinaldo Rueda, com o Equador, e Luis Suárez, com Honduras. Cesare Prandelli, da Itália, Alberto Zaccheroni, do Japão, e Fabio Capello, da Rússia, são os técnicos italianos.