Felipão pede busca por “sonho menor” e se recusa a falar sobre futuro

  • Por Jovem Pan
  • 11/07/2014 19h24

O técnico Luiz Felipe Scolari negou falar sobre futuro e pregou busca por sonho menor

Luiz Felipe Scolari

Às vésperas da partida contra a Holanda, na disputa pelo terceiro lugar da Copa do Mundo, o técnico Luiz Felipe Scolari concedeu entrevista coletiva e comentou sobre o duelo, que vale “um sonho menor” para a Seleção Brasileira.

Ao ser perguntado sobre a sequência de seu trabalho à frente do Brasil, após o término do Mundial, o comandante se recusou a falar sobre futuro.

“Eu vou te responder por etapas. O meu trabalho começou e termina depois do último jogo da Seleção Brasileira. Encerra a primeira etapa. Depois eu apresento o meu relatório e depois vamos ver o que vai acontecer, com o presidente. Eu sei que, de um ano e meio, tivemos uma série de situações muito boas. Não vejo como as pessoas possam ver somente o resultado de um jogo. Se o trabalho é bom, não é uma fatalidade que muda”, disse Scolari. “Positivamente, nós passamos confiança ao grupo. Poderíamos chegar mais longe do que chegamos. Não vejo como negativo, a não ser o resultado, que foi catastrófico. Se fosse 1 a 0, também não teríamos chegado ao objetivo. Apenas quero que as pessoas e que vocês da imprensa pensem um pouco se um trabalho é ruim com apenas uma derrota em jogo oficial. Não conversamos nada sobre o futuro. O público tem que saber que começamos com um sonho e não conseguimos. Agora vamos buscar um sonho menor”, prosseguiu.

O treinador da Seleção Brasileira não negou que a derrota sonora para a Alemanha por 7 a 1, na semifinal, ficará marcada na história, mas adotou um discurso cauteloso para tratar do trabalho feito pelo grupo.

“Ficou arranhada pelo resultado, que foi catastrófico. Tivemos a chance, nos primeiros minutos, de fazer dois ou três gols. Poderíamos ter amenizado a derrota. Eles foram superiores e não temos do que nos envergonhar. Mas temos que ver as coisas boas. Fizemos um bom trabalho, juntamente com os jogadores, e a derrota veio para uma equipe muito qualificada. Ficou marcada uma derrota assim como ficou marcado o título da Copa das Confederações”, falou, frisando ainda que muitos torcedores ainda demonstraram apoio mesmo depois da goleada. “A gente recebeu um apoio muito maior do que a gente imaginava, vocês podem acreditar”, prosseguiu.

Na coletiva, Felipão também criticou parte da imprensa, já que circulou uma notícia de que os olheiros da Seleção, Alexandre Gallo e Roque Júnior, teriam sugerido que o técnico colocasse Paulinho e William de titulares, no lugar de Fred e Bernard, mas Scolari acabou optando pelos dois últimos.

“Vocês estão enganados nas análises que vocês estão fazendo. O Roque e o Gallo são analistas dos meus adversários e não da minha Seleção. Quando eu estou junto, dou liberdade para que coloquem opiniões, mas a decisão é minha. Não queiram colocar o Gallo contra mim, pois acredito piamente e confio cegamento no que ele tem dito a respeito deste assunto. O analista da Seleção Brasileira sou eu, por enquanto”, esbravejou.

Por fim, Luiz Felipe Scolari garantiu que vai fazer algumas mudanças no time que vai enfrentar a Holanda em relação à equipe que pegou a Alemanha e falou que não está mais nervoso.

“Eu vou mexer em uma ou duas posições, pois têm jogadores que podem dar sequência. Uma ou duas coisas diferentes em relação ao time que começou o jogo contra a Alemanha. Por necessidade, vou fazer duas ou três substituições. Uma substituição é porque entendo que a colocação de um jogador em determinado setor pode ser importante amanhã (sábado). E também por gostar do comportamento desse jogador. Não vou colocar jogadores que eu não tenho certeza que vão preencher aquela necessidade que temos para o jogo”, observou. “Nervoso não mais, porque o objetivo principal não vai acontecer. Foram difíceis esses dias e, provavelmente, serão difíceis para o resto de nossas vidas. O que nós tentamos é uma recuperação pela parte psicológica, trabalhando alguns detalhes com nossos jogadores. Como se fosse o nosso sonho principal. Revertemos já em 75% dessa situação que é horrível e estamos trabalhando para que possamos entrar em campo com perspectivas de conseguirmos o terceiro lugar e darmos ao torcedor brasileiro uma pequena alegria”, finalizou.