Felipão vê William como titular: “tem minha confiança total e absoluta”

  • Por Jovem Pan
  • 05/06/2014 13h00
Mowapress Mowapress Felipão exalta WIlliam e o vê como titular

Com a bagagem do pentacampeonato em 2002, o técnico Luiz Felipe Scolari sabe que alguns nomes podem surgir em cima da hora e podem acabar sendo decisivos em um torneio de tiro curto como é a Copa do Mundo. Em 2014, parece que essa “missão” está destinada ao meia William, a quem Felipão atribuiu “confiança total e absoluta” em entrevista coletiva concedida nesta quinta-feira (05). Além disso, o treinador espera uma boa atuaçao de sua time no amistoso diante da Sérvia no Morumbi para mudar a histórica relação traumática entre a torcida paulista e a seleção nacional. Restando apenas sete dias para a abertura do Mundial, o técnico disse que não pedirá à Neymar para “tirar o pé” e que sua função será “infernizar os zagueiros adversários”. 

Desde a conquista da Copa das Confederações em 2013, Felipão parece ter o time titular definido. Nesta equipe, Oscar é o dono do meio de campo e deve permanecer como titular. Contudo, a “sombra” de William cresce a cada dia. “Se William tiver que começar contra a Sérvia ou contra a Croácia, não muda muito para mim. Ele tem minha confiança total e absoluta, é um jogador de muita qualidade e é um achado, já que não estava sendo convocado”, admitiu o treinador. A titularidade de Oscar no amistoso ainda não está garantida porque o jogador não treinou nesta quinta para acompanhar o nascimento de sua filha Júlia, em Campinas. O meia, porém, deve se apresentar ainda nesta noite e conversar com Felipão. 

Se no meio de campo ainda há uma pequena indefinição, certo é que Neymar será novamente a grande aposta da torcida para o último amistoso pré-Copa. Mesmo restando poucos dias, Felipão garantiu que não quer que o atacante se resguarde durante o teste. “Se o Neymar não driblar, vai jogar de zagueiro central? Ele tem que infernizar a vida dos zagueiros adversários, essa é a qualidade dele. Quem tem que proibir o jogo brusco é o juiz. Eu não vou mudar essa característica dele”, garantiu. 

Relação com a torcida paulista

Muito bem recebida em diversas cidades ao redor do país, a Seleção Brasileira é alvo de muitas críticas quando atua na cidade de São Paulo. O técnico vê a partida contra a Sérvia como uma grande oportunidade para mudar esse panorama. “Se, historicamente, São Paulo é duro com a Seleção Brasileira, está na hora de mudarmos isso. Queremos mostrar que temos um bom time e contamos com o carinho da torcida”. Imortalizado na história do Palmeiras, Felipão disse que não encontra muita rejeição das outras torcidas da cidade e garantiu que a maior capital do país é “sua casa”.

O treinador mostrou compreensão com o rigor dos torcedores que, em alguns momentos, chegam a vaiar seu time e valorizou o apoio dado. “Todo mundo sabe que é importante para nós estarmos conectado com o nosso torcedor. Sabemos que ele é passional, muda de opinião rápido, mas se nós não formos um grupo unido não melhoraremos em nada. A torcida é importante para quando não estivermos bem para que todo mundo se motive lá dentro de campo. Sabemos que os torcedores são fundamentais para nossa conquistas”, admitiu. 

Felipão disse estar vivendo uma relação unicamente positiva com o povo brasileiro. “Vivo hoje o que eu vivi lá em Portugal [quando treinou a seleção em 2004, na Eurocopa disputada em terras lusas.] Espetacular ver o povo e as pessoas na rua. Hoje está lindo, temos aí ruas, bandeiras e manifestações de apoio quando passamos pelas estradas. Estamos agradecidos a essas pessoas que estão nos ajudando”, garantiu. 

Ambiente do grupo

A sete dias da abertura do Mundial, Felipão garantiu que a harmonia entre os 23 convocados não poderia ser maior. “Esse ambiente é muito sadio, algo que vi poucas vezes. Aqui há uma amizade pura entre eles, brigando por posição, mas sempre respeitando os atletas de forma muito simpática. Esse é um dos melhores ambientes que já vi em toda a minha vida pela forma que eles trabalham”, ressaltou. 

Em comparação com o grupo pentacampeão, o treinador disse que os jogadores tem características e personalidades diferentes. No grupo atual, Felipão destacou o zagueiro escolhido como líder. “O Thiago Silva tem uma forma de liderar que é muito bem vista pelos colegas. No trabalho psicológico, ele foi apontado por 14 ou 15 atletas como sendo o nome indicado para capitão. Ele sabe comandar um grupo, além das qualidades técnicas que fazem com que ele seja um dos melhores zagueiros do mundo. Por isso ele é o principal capitão, embora tenho mais quatro ou cinco que possam excercer essa função”.