Felipe nega ter entregado pênalti ao Fla em 2009 e revela mala branca do Inter

  • Por Jovem Pan
  • 14/01/2016 16h06
50 SAO PAULO 31/01/2010 - ESPORTE ESPORTES - CORINTHIANS X PALMEIRAS - Jogo válido pelo Campeonato Paulista, realizado no estádio do Pacaembu - Felipe - Foto: NILTON FUKUDA / AEFelipe

Quando Léo Moura cobrou um pênalti na partida entre Flamengo e Corinthians, no Brinco de Ouro, pelo Campeonato Brasileiro de 2009, o goleiro alvinegro Felipe ficou parado no meio do gol. A atitude rendeu acusações ao atleta, que teria deixado a bola passar para prejudicar o rival São Paulo, concorrente do Flamengo, na briga pelo título. Anos depois, o agora arqueiro do Bragantino comentou o lance – e revelou que o Internacional, também candidato ao título, ofereceu mala branca ao Timão.

“Achei mesmo que ele (Léo Moura) fosse bater no meio. Juro por Deus. Igual aconteceu dois anos depois, com o Elano, que peguei o pênalti. Mesmo se tivesse pegado, não teria mudado nada. São Paulo tinha tomado quatro do Goiás. Flamengo foi campeão não porque ganhou do Corinthians. Se eu pegasse, ficaria 1 a 0. A gente tinha premiação muito boa do Internacional só para empatar o jogo. Não tem esse negócio de ter deixado”, disse Felipe em entrevista ao jornal Lance!.

O gol marcado por Léo Moura, o segundo na vitória flamenguista por 2 a 0, pela 37ª rodada, revoltou são-paulinos, colorados e palmeirenses, que ainda sonhavam com o título. Ao fim do torneio, a equipe carioca se sagrou campeã. No entanto, os jogadores corintianos, na época, negaram qualquer intenção de entregar a partida ao Flamengo. Em 2010, Felipe se transferiu ao clube da Gávea.

Sua saída do Corinthians, aliás, foi conturbada, com direito a discussões com o então presidente Andrés Sanchez. Hoje, Felipe se arrepende do modo como tudo aconteceu. “Se fosse hoje em dia, faria diferente. Não fico chateado pela saída, mas como ela se deu, com briga pública. Ficou feio. Errei nesse negócio de ter batido boca com o presidente (Andrés Sanchez). Fiquei chateado por ter treinado separado. Isso me irritou um pouco. A negociação com o Genoa deu para trás por causa do limite de estrangeiros, quando voltei, voltei como vilão, porque estava tudo certo lá. Parecia que tinha colocado faca no peito do pessoal para sair”, lamentou.

Relembre o polêmico lance do pênalti cobra por Léo Moura:

via GIPHY