“Férias” produtivas: 5 passos para Cuca acertar o Palmeiras antes do Brasileiro

  • Por Fernando Ciupka/Jovem Pan
  • 26/04/2016 17h06

Cuca busca a terceira vitória consecutiva no comando do Palmeiras

Cuca busca a terceira vitória consecutiva no comando do Palmeiras

Após a eliminação na Taça Libertadores e no Campeonato Paulista, o técnico Cuca terá 17 dias para treinar, preparar e arrumar o time do Palmeiras para as competições do resto do ano. A pergunta que pode surgir na cabeça do torcedor é: o que o time pode fazer nesse período para que não seja um tempo perdido? Veja cinco atitudes que podem ajudar o Verdão na Copa do Brasil e no Campeonato Brasileiro – que o clube não conquista há 22 anos.

1 – Enxugar o elenco

Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação

O plantel do Palmeiras hoje conta com 33 jogadores, elenco considerado “inchado”, já que muitos jogadores nem oportunidades estão tendo, não são relacionados para os jogos ou estão sendo muito criticados pela torcida. Entre a noite de terça-feira e a de quarta-feira, o clube paulista trocou Robinho e Lucas pelo lateral e meia Fabrício e pelo lateral direito Fabiano, ambos do Cruzeiro, além de rescindir o contrato de Fellype Gabriel que, em quase um ano, jogou apenas 20 minutos pelo Palmeiras. O zagueiro Nathan e o lateral Victor Luis, crias da base palmeirense, foram outros a se despedir do elenco. O primeiro foi emprestado ao Criciúma, já o segundo teve o empréstimo acertado com o Botafogo-RJ, ambos até o final da temporada. A Jovem Pan fez uma análise dos atletas que, além de serem pouco utilizados, não são dos mais queridos pela torcida do Verdão.

Leandro Almeida (zagueiro) – O zagueiro veio do Coritiba a pedido do técnico Marcelo Oliveira e não agradou a exigente torcida palmeirense. Inseguro em campo, foi dado quase como “carta fora do baralho” após falhar feio em jogo contra o São Bento, pelo Campeonato Paulista deste ano.

Roger Carvalho (zagueiro) – Veio do Botafogo longe de ser uma unanimidade. Apesar de ter feito uma boa Série B pelo time do Rio de Janeiro, Roger ainda não se mostrou seguro o suficiente para conquistar o treinador Cuca e a torcida do Verdão.

Rodrigo (volante) – O jovem jogador veio do Goiás com pompa de ser um dos destaques do time esmeraldino no último Brasileirão. Apesar disso, Rodrigo, que tem 22 anos, ainda não fez sua estreia pela equipe do Palmeiras.

Régis (meia) – Veio do Sport Recife por empréstimo após se destacar no Nacional de 2015. Jogou apenas quatro jogos pelo time do Palmeiras e não empolgou. Com a recuperação de Cleiton Xavier, a tendência é ter ainda menos chances.

Moisés (meia) – Assinou com o Palmeiras depois de passar pelo HNK Rijeka, da Croácia. Fez somente três jogos com a camisa do clube paulista e marcou um gol, mas sofreu uma fratura associada à lesão ligamentar no pé direito durante a partida contra o Linense, no Paulistão 2016, e está afastado desde então. O diagnóstico, à época, colocava quatro meses para a recuperação do jogador, que deve voltar em junho de 2016.

Luan (atacante) – Com passagem pelo Palmeiras campeão da Copa do Brasil 2012 de Felipão, o atacante é bastante contestado pelos torcedores desde àquela época. Quando voltou a ser reintegrado ao elenco palmeirense, muitos torcedores criticaram o retorno do jogador, principalmente em redes sociais.

2 – Contratações pontuais

Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação

Mesmo precisando “desinchar” o elenco, jogadores de qualidade para posições ainda fragilizadas do time podem surgir como opções. 

Na defesa, os únicos jogadores incontestáveis são Fernando Prass e Vitor Hugo. Thiago Martins, jogador da base que voltou de empréstimo do Paysandu, após fazer uma boa Série B, é considerado um jogador de futuro promissor, mas ainda é inexperiente. Edu Dracena divide opiniões dos torcedores e, apesar de ser experiente, é considerado um defensor lento pela torcida. Com a saída de Nathan, a vinda de um zagueiro para ser titular absoluto ao lado de Vitor Hugo seria essencial para “fechar a casinha” do Verdão.

Allione, Cleiton Xavier, Moisés, Régis e Fabrício, recém-contratado do Cruzeiro, são os jogadores de meio campo à disposição de Cuca. Robinho era o titular absoluto da posição desde o ano passado, mas passou a ser contestado pela torcida em 2016 e acabou envolvido em troca com a Raposa na noite da última terça-feira (26). Há chances do técnico Cuca utilizar Fabrício como meia no lugar de Robinho.

O torcedor voltou a ter esperança em Cleiton Xavier que, desde que voltou, jogou bem contra River Plate (URU) na Libertadores e contra o Santos, pela semifinal do Paulistão. Mas ainda é um setor no qual pelo menos mais um jogador que distribuísse bem o jogo e desse com qualidade aquele último passe para os atacantes, seria bem vindo.

3 – Corrigir erros de jogo

Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divuglação

Apesar da chegada do treinador Cuca já refletir grandes mudanças na forma do time do Palmeiras jogar (já são sete jogos sem derrota no tempo normal), ainda é possível enxergar falhas pontuais. A lateral esquerda do time vinha sendo um problema desde a lesão do volante Gabriel, no ano passado. Egídio, que tem sido o preferido de Cuca para a posição, voltou a jogar bem, mas ainda demonstra problemas quando o assunto é marcação. A cobertura dos volantes na subida do lateral esquerdo do Palmeiras é essencial.

O meio de campo é outro setor que ainda não faz os olhos do palmeirense brilharem. Fabrício deve ser a nova opção para o setor de criação da equipe, mas a expectativa é que Cleiton Xavier volte a ter uma sequência e melhore esse setor do time alviverde. O camisa 10 veio como uma das maiores apostas do presidente Paulo Nobre.

4 – Recuperar jogadores com histórico de lesões

Reprodução/Facebook

É rir para não chorar. O Palmeiras tem sofrido ao longo dos últimos anos com o histórico de lesões dos seus jogadores. Somente nessa temporada, jogadores como Edu Dracena, Vitor Hugo, Cleiton Xavier, Moisés, Fellype Gabriel, Allione, Barrios, Dudu e Cristaldo se lesionaram e tiveram de ficar afastados dos trabalhos normais por algum tempo. O trabalho de condicionamento físico e uma atenção maior com os jogadores com mais tendência a se lesionar é algo mais do que necessário, vendo o histórico do Departamento Médico do clube.

5 – Definir um padrão de jogo

Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divuglação

O técnico Cuca terá duas semanas cheias para se preparar para o Brasileirão e a Copa do Brasil, e a tendência é que, ao final desse período, o Palmeiras tenha um padrão de jogo definido. Um time titular como base e “a cara” do treinador campeão da Libertadores pelo Atlético Mineiro. Vale lembrar que, desde que chegou, Cuca afirmou que o atual elenco do Palmeiras é “de Campeonato Brasileiro”, e cravou que será campeão no clube, logo após a eliminação contra o Santos no Estadual desse ano.

Resta saber se esse período de treinos para o Verdão vai ser o suficiente para fazer o time empolgar o torcedor já no início do Campeonato Brasileiro. O Palmeiras faz sua estreia na competição no próximo dia 14 de maio (sábado), contra o Atlético Paranaense, no Allianz Parque.