Fernando Diniz critica análise “superficial” no país e elogia Tite: “daria certo na Europa”

  • Por Jovem Pan
  • 20/12/2015 13h46
Fernando Diniz destacou não se incomodar com críticas superficiais sobre seu trabalho

Ousado e corajoso na hora de montar suas equipes, Fernando Diniz surpreendeu a todos ao montar a equipe do Audax nas duas últimas edições do Paulistão. Aliando posse de bola e trocas rápidas de posição, o time de Diniz alternou elogios exagerados e criticas sem fundamento. Para o treinador, porém, as opiniões vazias não incomodam.

Presente em um evento de gestão esportiva em São Paulo, Diniz conversou com a rádio Jovem Pan e mostrou não se importar com as criticas que recebe em seu trabalho dito como “diferente”. O treinador que acertou sua volta para o Audax ainda elogiou Tite e declarou que o corintiano teria sucesso no futebol europeu.

“Não acho que deveriam criticar. O Audax, em termos de desempenho, jogamos seis vezes contra grandes, em quatro fizemos frente e duas vezes jogamos melhor. Pra uma equipe com o orçamento do Audax, isso deveria ser enaltecido do que criticado”, afirmou.

“Tudo que é novo na sociedade está suscetível a critica. E como as vezes a critica vem com superficialidade, não acrescentam muito. Alguma delas com fundamentação, a gente acaba aprendendo. Mas não é regra, é exceção. No futebol as criticas vão em cima do resultado e pouco em cima do que acontece no jogo”, declarou Fernando Diniz ao comentarista Bruno Prado.

O treinador ainda criticou as análises feitas no futebol brasileiro, tanto por parte da torcida e imprensa, quanto da parte dos dirigentes, e destacou como os cenários mudam rapidamente no país. Fernando ainda comentou o por que o futebol de seus times gera tamanha surpresa em quem o acompanha.

“O mais importante é dissociar o resultado do que acontece no jogo. Muitas partidas, o comentário muda em três minutos. O exemplo maior no ano é o Corinthians: teve seu ápice no primeiro semestre contra o Danúbio, depois de um mês, era uma chuva de críticas como se tudo estivesse errado”, declarou.

“Assusta um pouco por ser diferente. Mais do que a posse de bola, seja a rotatividade, o uso acentuado do goleiro. Pra quem vê aquilo pronto, no jogo, não sabe quantas horas tem de treinamento. E pro espectador, como aquilo não está difundido na cultura e até para a imprensa que as vezes não se aprofunda muito no conhecimento do jogo, aquilo gera certa estranheza e vem a crítica sem fundamento”, completou.

Para o treinador, há um colega de profissão no país muito superior aos outros técnicos: Tite. Diniz valorizou o trabalho do corintiano e afirmou que Tite faria sucesso na Europa.

“Tenho certeza que sim (Tite faria sucesso na Europa), é um cara muito competente, sabe trabalhar em todas as frentes, hoje está sobrando no Brasil e, não tenho duvida, se fosse para a Europa, da maneira que trabalha, o sucesso seria conquistado. Daria certo na Europa”, comentou.