Fifa vende 82,5% de novo lote de entradas para Copa do Mundo em apenas um dia

  • Por Agência EFE
  • 13/03/2014 17h23
EFE Veja as melhores imagens do sorteio dos grupos da Copa de 2014

A Fifa iniciou uma nova fase de comercialização de ingressos para a Copa do Mundo na quarta-feira (12) e, em apenas um dia, vendeu 82,5% das 345 mil novas entradas para a competição, informou nesta quinta-feira o próprio organismo.

Um total de 284.597 entradas foram adquiridas pelos torcedores nas primeiras 24 horas da nova etapa de vendas, disse a entidade reitora do futebol mundial em comunicado.

As entradas ainda disponíveis serão oferecidas oficialmente até 1 de abril, embora o mais provável seja que esgotem rapidamente, já que nesta fase a entrada é vendida ao primeiro que solicitar e não por sorteio.

Os países onde mais foram compradas entradas até agora nesta nova fase são Brasil (207.649), Estados Unidos (20.981), Colômbia (5.901), Austrália (5.793), Argentina (4.648), Inglaterra (4.262), México (3.989), Chile (3.024), França (3.325) e Canadá (2.891).

Até agora as únicas partidas com capacidade totalmente esgotada são a de abertura, que será entre Brasil e Croácia em São Paulo no dia 12 de junho, a final no Maracanã em 13 de julho e as duas semifinais, em Belo Horizonte e São Paulo.

Das entradas colocadas à venda no novo pacote também foram esgotadas as oferecidas para partidas no Rio de Janeiro e São Paulo, assim como as correspondentes aos compromissos de seleções como o Brasil e Argentina.

Para algumas partidas, principalmente as da Colômbia e Chile, as únicas entradas que estão disponíveis são as destinadas para deficientes.

A Fifa, no entanto, reservou um lote de entradas para vendê-las nas bilheterias nos dois meses prévios ao início do torneio, por isso que ainda há entradas para partidas com ingressos supostamente esgotados.

Nas primeiras fases de vendas foram adquiridas 2,3 milhões de entradas, do total de quase 2,9 milhões que devem ser comercializadas para as 64 partidas do Mundial.

Das já vendidas, 57%, algo mais de 900 mil, foram compradas por brasileiros, seguidos de cidadãos dos Estados Unidos (125 mil), Colômbia (60 mil), Alemanha (55 mil) e Argentina (53 mil).