Fórmula 1 volta ao Japão 1 ano após acidente de Bianchi

  • Por Agencia EFE
  • 23/09/2015 20h13 - Atualizado em 06/11/2017 11h38

Redação Central, 23 set (EFE).- A Fórmula 1 retorna neste fim de semana ao circuito de Suzuka para a disputa de mais um Grande Prêmio do Japão, no qual o piloto francês Jules Bianchi sofreu no ano passado um acidente que culminou em um longo período em coma e em sua morte nove meses depois.

Apenas uma semana após o GP de Cingapura, que teve vitória do alemão Sebastian Vettel (Ferrari), a principal categoria do automobilismo atravessará um fim de semana com carga emocional forte.

Será inevitável lembrar Bianchi, morto no dia 18 de julho no Hospital Universitário de Nice (França), para o qual foi levado depois de ter sido internado no Japão. Em 5 de outubro do ano passado, com chuva e pouca visibilidade em Suzuka, o francês perdeu o controle de sua Marussia e acertou em cheio um guindaste que recolhia a Sauber do alemão Adrian Sutil.

Com a morte do piloto de 25 anos, todos chegam ao Japão abalados, especialmente os funcionários da Manor, antiga Marussia, pela qual ele guiou por quase duas temporadas.

“Fomos a equipe de Jules e, com isso em mente, eu gostaria pedir a todos que entendam e respeitem isso. Neste fim de semana, desejamos viver a experiência de voltar a Suzuka com bastante privacidade. Esperamos ter o ambiente correto para trabalhar em circunstâncias tão difíceis”, declarou o chefe da escuderia britânica, John Booth.

“Será outra experiência emocionante, depois da de Mônaco, um lugar cheio de lembranças para nossa equipe, e Hungria, onde tivemos que nos despedir de uma forma muito difícil de um amado amigo e colega”, acrescentou.

O dirigente se referiu ao GP de Mônaco, onde no ano passado Bianchi conquistou os dois primeiros pontos da história da Marussia com um nono lugar, e ao disputado em Hungaroring, o primeiro após a morte do piloto.

No âmbito competitivo, o Mundial ganhou em emoção com a vitória de Vettel na prova noturna do último domingo. Em terceiro lugar na temporada, o tetracampeão mundial entrou de vez na briga ao menos pelo vice, já que tem 203 pontos, apenas oito a menos que o compatriota Nico Rosberg, da Mercedes. O britânico Lewis Hamilton, também da escuderia alemã, é o líder, com 252.

O ferrarista é o segundo maior vencedor da história da corrida no Japão, com quatro triunfos (2009, 2010, 2012, 2013), atrás apenas de Michael Schumacher, com seis. Além disso, Rosberg foi apenas sexto em Cingapura, e Hamilton abandonou por problemas no motor. No entanto, apesar do bom retrospecto de Vettel, o circuito é veloz, o que favorece aos concorrentes.

“Temos de tentar deixar esse fim de semana para trás e pensar na corrida de Suzuka. O fim de semana em Cingapura foi estranho para mim e para a equipe, mas já estamos na Fórmula 1 há muito tempo para aceitar que não se pode vencer todas”, comentou Hamilton.

Outra equipe que pode se beneficiar do traçado é a Williams, que não colheu bons resultados na última prova. O finlandês Valtteri Bottas foi quinto colocado, e o brasileiro Felipe Massa não completou devido a um defeito no câmbio.

“Suzuka é bem adequado para o nosso carro. No ano passado, dominamos a segunda fila, e isso será bom para tirarmos o melhor do carro”, disse o chefe de desempenho do time, Rob Smedley. EFE