Além da final da Libertadores: 7 confusões marcantes entre jogadores e torcedores

  • Por Jovem Pan
  • 27/11/2018 18h58 - Atualizado em 27/11/2018 19h31
EFEPablo Perez foi um dos jogadores machucados no ataque sofrido pela delegação do Boca Juniors

A Copa Libertadores deste ano já era para decidida, e torcedores de Boca Juniors ou River Plate já deveriam estar comemorando um título épico vencido sobre seus grandes arquirrivais. Mas nada disso aconteceu — ainda — graças a uma confusão envolvendo torcedores do River e jogadores do Boca no último sábado (24) que causou o adiamento do jogo de volta da final. Nesta terça (27), a Conmebol confirmou que o jogo ocorrerá no fim de semana dos dias 8 e 9 de dezembro, em local ainda a ser decidido, mas fora da Argentina.

O adiamento do jogo aconteceu porque torcedores do River Plate apedrejaram o ônibus da delegação do Boca Juniors que estava a caminho do Monumental de Núñez. Na confusão, alguns jogadores ficaram feridos.

Mas esse problema não é exclusivo da Argentina — nem da América Latina. Veja abaixo outras 7 confusões marcantes entre jogadores e torcedores:

Corinthians, 2009

Na semifinal do Campeonato Paulista de 2009, o ônibus do Corinthians foi atacado por torcedores do São Paulo nas imediações do estádio do Morumbi. O veículo foi atingido por pedras e latas de cerveja, mas nenhum jogador se machucou. Em campo, o Timão ganhou por 2 a 0, com gols de Douglas e Ronaldo, e se classificou para a final.

Palmeiras, 2009

Também em 2009, o ônibus do Palmeiras foi atacado pela própria torcida quando voltava de Itu, no interior de São Paulo. A delegação do Verdão tinha ido para o interior paulista para se concentrar para o jogo contra o Atlético Mineiro, que valia uma vaga na Libertadores do ano seguinte. Cerca de 15 torcedores armaram uma emboscada e atiraram pedras contra o veículo, mas ninguém foi ferido.

Bahia, 2018

Em julho deste ano, torcedores e jogadores do Bahia se envolveram em uma confusão no aeroporto de Salvador após o tricolor baiano empatar em 1 a 1 com a Chapecoense. Cerca de 20 pessoas estavam aguardando a delegação do time no aeroporto para cobrar os jogadores pelo mau desempenho no Brasileirão. O grupo entrou em confronto com os atletas e chegou a agredir Everson e Junior Brumado.

CRB, 2018

Também neste ano, o CRB teve seu ônibus atacado por torcedores do ASA logo após o jogo entre as duas equipes pelo Campeonato Alagoano, em março. O veículo foi apedrejado e alvo de bombas e rojões. Os goleiros Edson Mardden e João Carlos e o atacante Ruan tiveram cortes na cabeça, braços e pernas.

Corinthians, 2006

Em 2006, a torcida do Corinthians estava frustrada com mais eliminação na Libertadores e resolveu descontar tudo em seu maior ídolo na época, Carlos Tevez. Após um empate do Timão em 2 a 2 contra o São Paulo, torcedores atacaram o carro do argentino com chutes. Pouco tempo depois do episódio, o atacante deixou o clube rumo ao West Ham, da Inglaterra.

Sporting, 2018

Em maio deste ano, os atletas do Sporting viveram momentos aterrorizantes quando torcedores invadiram o centro de treinamentos do clube. Cerca de 40 torcedores entraram nas dependências da equipe portuguesa e agrediram quatro jogadores, além do técnico Jorge Jesus e o auxiliar Mário Monteiro. A ação teve efeitos desastrosos para o Sporting, que viu boa parte de seus atletas se recusarem a continuar no clube após o episódio.

Legia Varsóvia, 2017

No ano passado, jogadores do Legia Varsóvia foram agredidos pela própria torcida após uma derrota pelo Campeonato Polonês. Um grupo de cerca de 50 pessoas ficou esperando pela delegação no estacionamento da sede do clube e atacou com socos jogadores e membros da comissão técnica. O ídolo do Legia, Aleksandar Vukovic, era auxiliar técnico na época e também foi agredido.