Altitude pesa, São Paulo desperdiça chances e perde na estreia da Libertadores

  • Por Jovem Pan
  • 05/03/2020 23h04 - Atualizado em 05/03/2020 23h45
EFE/José Sotomayor JiménezPato foi o autor do gol do São Paulo na derrota por 2 a 1 para o Binacional

Foram quatro anos longe dos grupos da Libertadores, e na partida que marcou o retorno do São Paulo a fase do torneio, o time amargou uma derrota de virada por 2 a 1 para o novato Binacional, atual campeão peruano.

Durante o primeiro jogo internacional do Estádio Guillermo Briceño Rosamedina, em Juliaca, a 3.825 metros do nível do mar, o Tricolor tentou controlar o desgaste físico diante da condição que assombra times brasileiros na competição. A equipe começou melhor no jogo, mas o desperdício de grandes chances quando dominava a partida custou caro. Cansado, o time não conseguiu reagir à virada peruana, que veio na metade da segunda etapa. Suspenso, o técnico Fernando Diniz acompanhou seus jogadores das tribunas do Estádio. O lugar no banco de reservas ficou para o auxiliar Márcio Araújo.

Primeiro tempo de chances desperdiçadas 

Mesmo diante da altitude de Juliaca – uma das cinco maiores do mundo -, o São Paulo não teve dificuldades de impor seu ritmo inicial de jogo diante do valente Binacional. E equipe peruana tocava a bola com qualidade e abusava das finalizações de fora da área desde os primeiros minutos de jogo, mas foi em uma jogada bem trabalhada pelo Tricolor que o placar saiu do zero.

A jogada começou ainda nos pés do goleiro Thiago Volpi, que lançou Pablo no ataque. Pablo dominou, passou para Daniel Alves e recebeu de volta. Na pequena área, brilhou a estrela de Pato, que dominou e bateu forte de direita, sem chances para o goleiro Raúl Fernandez.

As oportunidades do Binacional na primeira etapa vieram por volta dos 30 minutos, resultado de erros na saída de bola Tricolor. Em um vacilo da defesa, Rodriguez bateu de fora da área. A bola passou muito próxima ao travessão de Volpi. Logo depois, Angel Pérez pegou em cheio de pé esquerdo. O goleiro conseguiu tocar com a ponta dos dedos para mandar a bola para fora.

Sem se intimidar com a altitude, o São Paulo apostava no contragolpe rápido para ameaçar o Binacional, e podia ter construído um placar elástico ainda na primeira etapa. Em duas oportunidades, Pablo ficou cara a cara com o gol do adversário e perdeu. Antony desperdiçou uma terceira chance, mas parou nas mãos do goleiro.

Tricolor se complica

Se por um lado o São Paulo desperdiçava chances, o Binacional não perdeu quando chegou. Logo nos primeiros minutos da segunda etapa, Marco Rodriguez, o artilheiro do campeonato peruano, saiu nas costas de Arboleda e Bruno Alves. O camisa 22 finalizou por baixo das pernas de Tiago Volpi para empatar a partida e fazer a festa dos donos da casa.

O gol levantou a moral dos peruanos, que passaram a ameaçar com mais frequência diante da queda de rendimento do Tricolor. As jogadas animaram ainda mais a torcida, que cantava “Si, se puede!”.

Liziero foi a opção de Márcio Araújo para tentar dar novo fôlego ao time, no lugar de Pablo. Pato continuou centralizado, com Antony caindo pela direita. A mudança parecia ter surtido efeito. Logo após a substituição, Liziero deixou para Antony, que ganhou do zagueiro e cruzou para Pato. A bola foi alta demais, e o atacante cabeceou pra fora.

O desgaste físico pesou para a equipe brasileira na metade do segundo tempo. Em uma jogada que começou com um erro de passe de Daniel Alves ainda no meio campo, Arango recebeu na entrada da área, ajeitou para a esquerda e chutou forte, colocado, no cantinho do goleiro tricolor – 2 a 1. Aos 35 minutos, o cansaço era aparente.

Aos 40, o Binacional tocava a bola para gastar tempo ao som do ‘olé’ que vinha da arquibancada. O Tricolor ainda teve algumas chances – Hernanes tentou novamente aos 44, mas parou no goleiro Fernández.

O São Paulo foi o único time brasileiro que perdeu na estreia do torneio, e agora amarga a lanterna do grupo D ao lado do River Plate, que perdeu na LDU na noite de quarta-feira. O resultado alimentou o tabu em estreias na Libertadores – a última vitória foi contra o Monterrey (MEX), em 2010. O próximo compromisso da equipe é pelo Campeonato Paulista, contra o Botafogo, em Ribeirão Preto. Pela Libertadores, o próximo adversário é a LDU, em 11 de março, no Estádio do Morumbi.