Após confusão lamentável com torcedores, Vasco bate Flu e é campeão

  • Por Jovem Pan
  • 17/02/2019 20h12 - Atualizado em 17/02/2019 20h59
ANDRÉ FABIANO/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDOTorcedores quiseram invadir quando foram proibidos de entrar

A final da Taça Guanabara, 1º turno do Campeonato Carioca, ficou marcada por uma confusão lamentável, que prejudicou os torcedores de Vasco e Fluminense. A partida chegou a começar com portões fechados, mas os torcedores foram autorizados a entrar depois de meia hora. Dentro de campo, os vascaínos comemoraram a vitória por 1 a 0, com gol de Danilo Barcelos, no final do 2º tempo.

A Justiça decidiu durante a madrugada que o jogo tinha que acontecer com portões fechados. Depois de muitas decisões contraditórias ao longo do dia, os torcedores foram ao Maracanã. Mas faltando 15 minutos para o começo do jogo, a federação anunciou que ninguém entraria. Então houve grande confusão do lado de fora, quando a bola começou a rolar. O tumulto deixou 29 feridos. Após muita correria, gás de pimenta e bombas de efeito moral, o desembargador de plantão Andre Emílio Ribeiro liberou a entrada, já com 30 minutos de bola rolando. E os vascaínos ficaram no polêmico setor sul do estádio.

Em campo, sem torcida, o jogo pouco teve de emoção. O Fluminense, com seu estilo de jogo, tinha mais posse de bola, mas pouco ameaçava o goleiro Fernando Miguel. Do outro lado o mesmo panorama e Rodolfo não teve que fazer qualquer defesa mais difícil. Somente depois da parada técnica, aos 28 minutos, coincidindo com a liberação para a entrada dos torcedores, é que o duelo esquentou.

Cada equipe teve uma boa oportunidade antes do intervalo. Aos 34 minutos, Bruno César arriscou de fora da área e a bola subiu muito. O Fluminense respondeu quase em seguida, aos 38, com Yony González. O atacante recebeu passe de Luciano e, quase na pequena área, finalizou. Fernando Miguel saiu bem na jogada e a bola bateu no seu rosto e foi para fora.

Depois do intervalo, o Fluminense seguiu com mais posse de bola e logo ameaçou o Vasco. Aos três minutos, Yony González recebeu na direita e, de dentro da área, deu belo passe para Everaldo na marca do pênalti. O atacante mandou a bola por cima do travessão O mesmo aconteceu com Luciano, aos 17, em uma cabeçada para fora, à esquerda da meta de Fernando Miguel.

O Vasco tinha uma postura mais defensiva e contou com um lance bobo de Marlon para conseguir o gol do título. Aos 35 minutos, o lateral-esquerdo tinha a bola nos pés e tentou um drible desnecessário na defesa. Perdeu a bola e fez a falta. Danilo Barcelos fez a cobrança com força e a bola, depois de passar por toda área tricolor, entrou no canto direito de Rodolfo.

O técnico Fernando Diniz ficou furioso com o lance e chegou até a perder um pé de seu tênis na hora da raiva com Marlon, que foi substituído na sequência, por Marcos Calazans. Nervoso, o Fluminense foi todo ao ataque e tentou de tudo para conseguir o empate, mas não teve sucesso.

Nos últimos minutos, até o VAR (árbitro de vídeo, na sigla em inglês) foi acionado pela primeira vez em jogos do Campeonato Carioca. Após uma confusão entre jogadores dos dois times, já nos acréscimos, Luciano foi expulso, após consulta do árbitro de campo Bruno Arleu de Araújo.

Com Estadão Conteúdo