Borja desencanta, Palmeiras bate a Ponte Preta e volta a sonhar no Brasileirão

  • Por Jovem Pan com Estadão Conteúdo
  • 19/10/2017 21h55 - Atualizado em 19/10/2017 23h12
ALEX SILVA/ESTADÃO CONTEÚDOMiguel Borja comemora o gol marcado na vitória do Palmeiras sobre a Ponte Preta

Depois do triunfo contra o lanterna do Brasileirão no final de semana, o Palmeiras voltou a entrar em campo nesta quinta-feira (19) e não decepcionou sua torcida. Jogando no estádio do Pacaembu, o time comandado por Alberto Valentim bateu a Ponte Preta por 2 a 0.

E além dos três pontos, que consolidam o Verdão na busca por uma vaga na Libertadores da América e mantém a esperança de perseguir o líder Corinthians – a distância agora é de nove pontos (59 a 50), o duelo marcou o fim do jejum do atacante colombiano Miguel Borja.

O camisa 9 não marcada desde o dia 21 de junho, na vitória do Palmeiras sobre o Atlético-GO. E nesta quinta, diante da Macaca, Borja entrou durante o jogo após contusão do atacante Willian e acabou sendo um dos destaques da vitória alviverde.

O Palmeiras usou a movimentação dos jogadores como principal estratégia para chegar ao gol. Dudu, Keno e Willian, na linha de frente, Moisés e Tchê Tchê, na região central, não tinham posição fixa, o que criava várias opções de ataque e confundia a zaga da Ponte Preta.

Foi assim que Moisés mergulhou para cabecear e exigiu grande defesa de Aranha. O dono do segundo melhor ataque do Campeonato Brasileiro, com 41 gols, atrás apenas do Grêmio, mostrou que estava azeitado.

Aos 27 minutos, Keno abriu o placar. Depois de Moisés perder na cara de Aranha, o atacante que havia sido destaque no último jogo com três assistências marcou o seu. Destaque para a esperteza de Dudu, que bateu rapidamente o lateral no início da jogada. O zagueiro Rodrigo falhou no lance.

As virtudes ofensivas do Palmeiras não foram suficientes para minimizar os erros da defesa. Com a marcação em linha, os zagueiros permitiram várias infiltrações do rival. Por isso, o técnico Eduardo Baptista pedia jogadas em velocidade pelas laterais.

Jogadas perigosas com cruzamentos na área se repetiram três vezes na frente do goleiro Fernando Prass. O time alviverde só conseguiu neutralizar a jogada no final do primeiro tempo, para alivio da torcida.

No segundo tempo, com menos de um minuto do segundo tempo, o time voltou melhor e Miguel Borja quase encerrou o jejum. Quase. Após lançamento de Egidio, Keno ajeitou, mas Borja chutou por cima, na frente do goleiro adversário.

Superior tecnicamente, o Palmeiras continuou com maior posse de bola, mas as chances de gol ficaram mais raras. O único susto para Aranha foi um chute de Keno que passou raspando após falha da zaga da Ponte Preta.

Mas aos 27 minutos, o colombiano finalmente desencantou. E com um belo gol. Após assistência de Keno, o camisa 9 deu um chapéu em Aranha e conseguiu completar de cabeça. Foi apenas seu oitavo gol no ano, o quarto no torneio nacional.

Borja foi abraçado por todos os companheiros e fez questão de cumprimentar Alberto Valentim, que após o gol e a vitória assegurada, aproveitou para motivar o elenco. No final, colocou os volantes Arouca e Felipe Melo na partida e o Palmeiras fez as pazes com o Pacaembu e sua torcida.

Confira a narração dos gols da vitória do Palmeiras sobre a Ponte Preta: