Brasileiros lamentam gol tomado em lance de bola parada e criticam campo nos EUA

  • Por Jovem Pan
  • 11/09/2019 08h43
EFE/EPA/ADAM S DAVISA seleção brasileira foi derrotada por 1 a 0 pelo Peru, em amistoso realizado nos EUA

Após a seleção brasileira ser derrotada por 1 a 0 pelo Peru em amistoso realizado no início da madrugada desta quarta-feira (no horário de Brasília), em Los Angeles, nos Estados Unidos, o zagueiro Marquinhos e o lateral-direito Fagner lamentaram o gol sofrido pelo Brasil em um lance de bola parada, aos 39 minutos do segundo tempo, assim como criticaram o estado do gramado do LA Memorial Coliseum, palco do duelo.

O defensor do Paris Saint-Germain lembrou que a equipe nacional havia conquistado duas boas vitórias sobre os peruanos na campanha do título da última Copa América, sendo a primeira delas por 5 a 0 na Arena Corinthians e depois o triunfo por 3 a 1 na decisão da competição, no Maracanã. Entretanto, ele reconheceu que desta vez a equipe comandada por Tite ficou longe de repetir o nível daquelas duas atuações.

“Creio que foi um jogo bastante disputado, nós vínhamos de dois jogos bons contra eles e bons resultados. Sabíamos que eles viriam para buscar o resultado e fizeram o que tinha que fazer. O campo não ajudou muito. A bola quicou muito. Tentamos forçar passe pelo meio, mas as duas equipes erraram muito. Sabíamos que era jogo de uma bola, e eles foram felizes na bola parada”, analisou Marquinhos, em entrevista à TV Globo logo após o confronto.

Ele também lembrou que o Peru esteve perto de marcar um gol da mesma maneira na goleada sofrida para o Brasil na primeira fase da Copa América e agora teve sucesso em uma cobrança de falta parecida em Los Angeles. “Foi uma batida muito boa. Teve uma batida quase do mesmo lugar na Arena Corinthians e eles quase fizeram o gol, que nós conseguimos anular. Hoje eles conseguiram fazer o movimento (de executar o cabeceio), mas nós vamos analisar melhor o jogo. Aconteceu tudo muito rápido”, completou.

Fagner, por sua vez, destacou que a seleção brasileira soube criar oportunidades ofensivas e teve volume de jogo, apesar das condições desfavoráveis do gramado. “Sem dúvida (o campo atrapalhou). Estava um pouco duro, ralo demais. A bola estava muito viva. Estava dificultando principalmente para os nossos jogadores de meio de campo, que não conseguiam dar um toque só na bola. Eram sempre dois, três toques na bola. Para jogar contra um time fechado, isso facilita (para os adversários)”, reclamou Fagner, também em entrevista à TV Globo.

O lateral do Corinthians, porém, admitiu que o Brasil acabou pagando o preço pela sua incompetência na hora de definir as jogadas. E ao ser lembrado do fato de que o Brasil já vinha de um empate por 2 a 2 com a Colômbia, em amistoso na última sexta-feira, em Miami, ele elogiou a “força do futebol sul-americano”.

“Não tem mais seleção boba. E temos de ressaltar o jogo que nós fizemos, consistente. O time criou chances de fazer o gol. E numa bola parada foi penalizado. Agora é se preparar porque a gente sabe que não vai ter jogo fácil, precisa crescer e amadurecer o quanto antes com esses tipos de jogos para chegar forte nas Eliminatórias (da Copa do Mundo de 2022)”, disse o jogador, que ainda qualificou estes dois últimos amistosos como um “aprendizado” para a seleção.

“Esses jogos têm de nos fazer crescer como equipe. A gente sabe da importância de vencer, de trabalhar com tranquilidade em cima de vitórias. Mas sabemos também que derrotas podem acontecer. Isso tem de fazer com que a gente cresça”, finalizou o atleta, que contra o Peru ganhou a chance de ser escalado no lugar de Daniel Alves, atual capitão e titular absoluro da lateral direita do Brasil.

  • Com informações do Estadão Conteúdo