Contratações recordes e atletas valiosos: França rouba a cena na janela de transferências

  • Por Jovem Pan
  • 01/09/2017 10h00 - Atualizado em 01/09/2017 10h28
EFE Neymar se tornou o jogador mais caro da história ao ser contratado pelo PSG por 222 milhões de euros

Uma liga até então coadjuvante no futebol do Velho Mundo movimentou bastante o mercado da bola nesta janela de transferências, fechada nesta quinta-feira (31) na maioria dos países pela Europa.

Tanto os jogadores quanto os times da França se tornaram protagonistas em um período até discreto para os tradicionais gigantes da Europa. Enquanto o Real Madrid não realizou nenhuma contratação de peso e o Barça sofreu para conseguir os poucos reforços que teve, o PSG realizou dois negócios de imensa repercussão: Neymar e Mbappé – que não teve os valores de empréstimo e compra divulgados oficialmente.

Por outro lado, estas foram as únicas contratações com valores exorbitantes feita por clubes da Ligue 1. O segundo jogador mais caro do Campeonato Francês foi o senegalês Keita Baldé, contratado nesta semana pelo Monaco pelo valor de 30 milhões de euros (mais de R$ 112 milhões).

Segundo o site Transfermarkt, especializado no mercado da bola, 270 jogadores foram contratados pelos 20 times que compõem o Campeonato Francês, gerando assim um total de gastos de mais de 658 milhões de euros (R$ 2,4 bilhões), uma média de mais de 32,9 milhões de euros (R$ 123 milhões) por clube.

O ambicioso PSG

O Paris Saint-Germain foi no mínimo ousado durante essa janela na Europa. Com a meta de erguer a taça da Liga dos Campeões pela primeira vez, contratou os brasileiros Daniel Alves, que rescindiu com a Juventus, Neymar, na negociação mais cara da história do futebol, e Mbappé, no apagar das luzes da janela.

A jovem revelação que pertencia ao Monaco foi o nome que mais agitou o mercado no período, sendo disputado por times como o Real Madrid, Barcelona e Manchester City, todos dispostos a pagar os 180 milhões de euros (quase R$ 675 milhões) da sua multa rescisória.

O time parisiense precisou fazer um malabarismo para contratar o garoto, fechando um contrato de empréstimo com prioridade de compra para pagar o valor somente na próxima temporada, evitando assim problemas com o fair play financeiro da UEFA. 

Divulgação Monaco

O segundo mais caro da história

Sem revelar oficialmente quanto foi desembolsado na contratação de Mbappé, o posto de segundo mais caro da história ainda pertence a Dembélé, contratado pelo Barcelona por 105 milhões de euros (R$ 393 milhões), com previsão de bônus de mais 40 milhões (quase R$ 45 milhões). O garoto de 20 anos foi um dos destaques do Borussia Dortmund na temporada passada e chegou ao Barça com a missão de formar o novo trio de ataque ao lado de Messi e Suárez.

EFE

Reforços pontuais

O Barcelona não foi o único a pagar caro por um francês para suprir uma necessidade no elenco. Sem contar Mbappé, três das dez contratações mais caras desta janela de transferências foram protagonizadas por atletas da França, movimentando mais de 205,5 milhões de euros (R$ 770 milhões).

O Arsenal trouxe para o seu ataque Lacazette, que atuou por sete anos no Lyon, por 53 milhões de euros (quase R$ 199 milhões). Já o City, que deu prioridade para a sua defesa, pagou 57,5 milhões (R$ 515,5 milhões) pelo lateral Mendy, ex-Monaco.

Divulgação Arsenal

Outra contratação surpreendente foi a de Matuidi, que defendia o PSG, onde colecionou títulos nacionais, e assinou com a Juventus, outro time acostumado a dominar o futebol do seu país.

Reprodução / Twitter / Juventus FC

Segundo o Transfermakrt, a França atualmente tem a segunda seleção mais valiosa do mundo, ficando atrás somente da Espanha. Os convocados pelo time francês, um dos favoritos para a próxima Copa, custam ao todo 632 milhões de euros (R$ 2,3 bilhões).

Os brasileiros do Bielsa

Agora sob o comando de “El loco” Bielsa, o Lille brigará pelas primeiras posições do Francês com alguns jovens que começavam a despontar no futebol brasileiro. Sua contratação mais cara foi Thiago Maia, ex-Santos e campeão olímpico em 2016, e também tirou dois titulares do São Paulo de uma vez: o atacante Luiz Araújo e o volante Thiago Mendes.

Reprodução / Twitter / LOSC

Quem também trocou o Brasil pelo futebol europeu foi Andrei Girotto, que deixou a Chapecoense para assinar com o Nantes, e o meia Otávio, que trocou o Atlético-PR pelo Bordeaux, time que também se reforçou com o ex-Corinthians Matheus Pereira. O volante Luiz Gustavo, que era figurinha garantida nas convocações da Seleção, deixou o Wolfsburg após quatro anos para jogar no Olympique.