Carille faz autocrítica e praticamente joga toalha por título: ‘Difícil pelo que estamos jogando’

  • Por Jovem Pan
  • 10/10/2019 22h02
HENRIQUE BARRETO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O técnico Fábio Carille enfrentou uma coletiva um tanto quanto dura, após o empate em 2 a 2 contra o Athletico Paranaense, na noite desta quinta-feira (10), na Arena em Itaquera.

Carille foi questionado sobre as inúmeras críticas que seu trabalho vem sofrendo por parte da torcida. O treinador afirmou que ele mesmo não está satisfeito com o desempenho.

“Eu mesmo estou me criticando. Estou me cobrando, treinando e trabalhando. Acho normal. Cria-se uma expectativa de ganhar tudo e não estamos preparados para isso. Ganhamos o Paulista jogando mais. Estamos precisando jogar mais. Melhora vem com o treino. Não teremos tempo para treinar até o jogo de domingo. O grupo sabe que precisa melhorar”, afirmou Fábio Carille.

O treinador do Corinthians também praticamente jogou a toalha com relação ao título do Campeonato Brasileiro. Carille foi além e disse que a forma como o time está jogando é um dos culpados.

“Muito difícil título. Impossível? Não! Mas difícil pelo que estamos jogando. Já fizemos reuniões para discutir reforços. O que eu penso, diretoria também pensa. Isso é legal para a gente caminhar para o mesmo lado. Foram contratados jogadores. Quase 90% dos contratados passaram pela minha avaliação. A gente sabe que precisamos de jogadores com ambição, que incomodem o adversário, que busquem o gol para jogar perto do camisa 9”, disse.

O comandante alvinegro também foi questionado sobre sua relação com Mauro Boselli. Na última quarta-feira (9), o atacante argentino deu uma coletiva bastante quente e reclamou do modelo ofensivo do time.

“A nossa relação é maravilhosa. Tive o prazer de ver a coletiva. Falaram mais do que foi. Quando contrataram Boselli, falei com ele por telefone. O clube tentou, Andrés tentou Gabigol, Rodriguinho… Precisamos de jogadores mais agudos, Boselli sabe terminar bem a jogada. Nossa característica de Corinthians. Não conseguimos trazer jogadores para encaixar. Infelizmente, não conseguimos Roger Guedes, Gabigol… Não só eu, mas diretoria também sabe que precisamos buscar mais esse jogador para potencializar o camisa 9”, relativizou Carille.