Iluminado Corinthians

  • Por Mauro Beting/ Jovem Pan
  • 19/04/2018 10h21 - Atualizado em 19/04/2018 10h23
Daniel Augusto Jr./ Agência CorinthiansCorinthians sofreu para vencer na Libertadores

Quando um meia de qualidade que está sem ritmo atua mais uma vez como atacante marcando um gol de cabeça-costas-ombro-nuca no final de mais um clássico, fora de casa, em Avellaneda heptacampeã da Libertadores, com a bola batendo na trave e na cabeça do goleiro, não tem como duvidar de todas as possibilidades dessa equipe.

Ainda mais sendo a atual heptacampeã nacional. Bicampeã paulista. E dirigida por um treinador há 16 meses no cargo, e há 9 anos no clube.
 Faz tanta diferença como tem feito Rodriguinho mais à frente, Vital quando entra, Romero na marcação, o sistema defensivo como um todo, e o erro absurdo do bandeirinha ao invalidar um gol claríssimo do Independiente, logo depois do gol de Jadson.

Quando a fase é excelente, nem a arbitragem usualmente caseira em Libertadores faz as desonras da casa. 
O Corinthians não tem a ver com isso. E quem quiser reaver os títulos vai ter que encarar essa equipe que fez partida muito boa na Argentina. Lá e cá. E com o resultado usual com Carille. Quando joga bem, ganha. Quando não joga bem, não perde.