Paulo André explica ação contra o Corinthians e rebate críticas: ‘É uma grande sacanagem’

  • Por Jovem Pan
  • 18/05/2020 10h04 - Atualizado em 18/05/2020 10h05
ReproduçãoPaulo André no treino do Corinthians

Paulo André voltou a se explicar sobre a briga judicial com o Corinthians. Através de suas redes sociais, no último domingo (17), o ex-zagueiro e hoje diretor de futebol do Athletico Paranaense disse que em seu acordo não há cobranças por trabalho aos domingos e adicionais noturnos.

“Não! Isso é uma grande sacanagem. E eu sei muito bem quem está por trás dessa mentira tentando me colocar contra a torcida e a opinião pública. O jogo de futebol acontece também aos domingos, qualquer um sabe disso. O pedido de descanso semanal remunerado não tinha nada a ver com jogar às quartas-feiras à noite ou aos domingos. O descanso semanal é um direito de todo trabalhador e pode ser dado em qualquer outro dia da semana – segunda, terça quarta, etc… Mas por causa do calendário de futebol no Brasil, ele é difícil de ser dado, o que não quer dizer que não precisa ser dado, pago ou ajustado dentro da especificidade da função de atleta de futebol”, escreveu.

View this post on Instagram

Que jogo, que dia inesquecível! Obrigado dos amigos que fizeram parte desta história. Saudade de todos vocês. AOS CORINTIANOS e a quem possa interessar. LEIAM ANTES DE COMENTAR: EU NUNCA PROCESSEI O CORINTHIANS POR ADICIONAL NOTURNO, HORA EXTRA ou POR JOGAR AOS DOMINGOS. O processo reclamava outras coisas e é público, qualquer um pode acessar. QUEM DISSER O CONTRÁRIO, falta com a verdade e está cometendo uma grande injustiça. Em 2019 eu ABRI MÃO DO PROCESSO E FIZ UM ACORDO COM O CLUBE exatamente por reconhecer que um dos pedidos, do descanso semanal remunerado, foi um erro da minha parte. Errei, assumi e fui até o Parque São Jorge fazer um acordo pelos valores rescisórios e de premiação que eram devidos pelo clube e que não haviam sido pagos, apenas isso. Esse é o único fato novo de 2014 para cá. Qualquer coisa diferente disso, não acredite. @paulinhop8 @fabiosantosfs6 @negoralf @rcassio12 @chicao_03 @guerrero9 @emersonsheik @jhsrick @20_danilo Alessandro

A post shared by Paulo André (@pauloandreofficial) on

O Corinthians perdeu o processo e foi condenado a pagar R$ 1,2 milhão ao ex-zagueiro. Após acordo, no entanto, ficou decidido que o clube terá de desembolsar R$ 750 mil, divididos em 15 parcelas, até maio do ano que vem.

“Nunca processei o Corinthians por adicional noturno, hora extra ou por jogar aos domingos. O processo é público, qualquer um pode acessar… Em 2019 eu abri mão do processo e fiz um acordo com o clube exatamente por reconhecer que um dos pedidos, do descanso semanal remunerado, foi um erro da minha parte. Errei, assumi e fui até o Parque São Jorge fazer um acordo”, escreveu o ex-zagueiro. “Esse é o único fato novo de 2014 para cá, eu assumi um erro e o corrigi em dezembro de 2019 ao fazer um acordo com o Corinthians. Qualquer coisa diferente disso, não acredite – disse o ex-jogador”, continuou.

Multicampeão pelo Corinthians, Paulo André virou alvo de parte da torcida após o presidente Andrés Sánchez avisar à CBF, FPF e Rede Globo que o time alvinegro não entraria mais em campo nessas ocasiões. Quando ao assunto, o ex-jogador tratou de cutucar o mandatário.

” O presidente deve fazer o que ele acredita ser melhor para o clube. Se ele de fato acredita que a Lei ou a jurisprudência colocam o clube em risco, poderia ter usado seus 4 anos de mandato como Deputado Federal ou seus últimos 3 anos de mandato como presidente para liderar e construir caminhos que protejam e/ou desenvolvam os interesses do clube e da indústria do futebol”, declarou.