Polêmicas com patrocínio, religião e Aids complicam dirigente do Corinthians

  • Por Jovem Pan
  • 22/02/2019 11h44 - Atualizado em 22/02/2019 15h56
ReproduçãoRosenberg criou campanha de marketing e não consultou conselheiros

Diretor de marketing do Corinthians, Luis Paulo Rosenberg está em situação complicada. Ele recebeu muitas críticas por polêmicas recentes e até virou alvo de um protesto oficial de conselheiros. Os problemas envolvem o patrocínio do banco BMG, a campanha do “Corinthianismo” e uma declaração infeliz sobre mulheres com Aids.

O patrocínio do BMG foi muito celebrado em um primeiro momento, mas depois foi descoberto que os valores não foram apresentados com clareza pelo marketing do Corinthians. Torcedores acreditam que Timão deveria receber mais do que R$ 12 milhões fixos por ano. A diretoria se defende dizendo que o valor pode aumentar, por causa do banco digital “Meu Corinthians”. Mas este produto ainda não foi lançado e gera dúvidas sobre o real potencial.

A campanha de marketing sobre o “Corinthianismo” dividiu os torcedores. Muitos gostaram, mas também existem aqueles que viram como uma ofensa ao cristianismo e a outras religiões. Apesar disso, as redes sociais do clube seguem divulgando a ideia.

Os conselheiros do Corinthians reclamaram bastante dessa ideia bancada por Rosenberg. Uma carta, assinada por 52 pessoas, disse que a campanha foi um equívoco e deveria ter sido submetida a consulta. Eles entendem que o material de divulgação gera divisão entre os torcedores.

Além disso, conselheiros também apontam que o Corinthians provavelmente pagou caro para agências fazerem os vídeos e fotos divulgados recentemente. “Ou seja, o homem encarregado de trazer receitas para o clube, o que não faz, gera, na verdade, despesas para o clube”, diz a carta. Por fim, é pedida a “interdição” de Rosenberg.

Por fim, a polêmica mais recente de Rosenberg aconteceu em entrevista à Espn Brasil. Ele quis justificar um fracasso da gestão dele, a negociação para vender os naming rights da Arena Corinthians, e fez uma comparação lamentável: “o apelo da marca Corinthians é tão grande que temos quatro grandes grupos interessados em vir. É mais ou menos… eles se sentem na situação de estar vendo a esposa perfeita, com dotes culinários, formada com MBA no exterior, uma mãe de filhos maravilhosos, mas parece que tem um teste de Aids positivo. Como é que eu encaixo a camisinha é o desafio”.

Posteriormente o Corinthians divulgou uma nota oficial sobre o assunto: “o diretor de marketing do Sport Club Corinthians Paulista, Luis Paulo Rosenberg, vem por meio desta pedir desculpas públicas a todas e todos que se sentiram ofendidos com sua infeliz menção às mulheres portadoras do vírus HIV. Errei, foi uma comparação infeliz, anacrônica e que não condiz com a minha prática à frente do clube sempre incentivando mais e mais a presença e participação feminina no futebol. Lamento profundamente por aqueles que de maneira direta ou indireta foram atingidos pela repercussão de uma analogia infeliz, feita durante um programa ao vivo de maneira espontânea e impensada. Sinto muito!”.