Roger será 17º jogador a defender o “trio de ferro” de São Paulo

  • Por Jovem Pan
  • 17/04/2018 10h21 - Atualizado em 17/04/2018 10h31
ReproduçãoRoger fez apenas 4 gols pelo São Paulo

O atacante Roger já defendeu ao todo 17 times diferentes na carreira. É um verdadeiro “andarilho da bola” que agora está prestes a atingir uma marca importante, que poucos conseguiram: entrará para o grupo seleto de atletas que já atuaram por Corinthians, Palmeiras e São Paulo, o “trio de ferro” da capital paulista. Faltam detalhes para ele ser anunciado como reforço corintiano.

Em 2005, Roger chegou ao São Paulo com status de substituto de Luís Fabiano. Ambos foram revelados na Ponte Preta e tinham um temperamento explosivo parecido. Mas a qualidade era bem diferente. Roger não se firmou no tricolor e foi para o rival Palmeiras, em um negócio ruim para ambos: o lateral esquerdo Lúcio transferiu-se para o time do Morumbi.

E então Roger começou a rodar pelo mundo da bola. Atuou na Ásia e também em times de diferentes regiões do Brasil, do Sul ao Nordeste. Quando parecia estar em declínio na carreira, foi artilheiro do Campeonato Paulista de 2016, pelo Red Bull Brasil, com 11 gols. Também voltou a jogar bem pela Ponte Preta e chamou atenção do Botafogo. Em 2017, conseguiu boas atenções pelo time carioca e despertou o interesse do Internacional. Mas o sucesso recente não se repetiu no time gaúcho. Então ele já rescindiu contrato com o Colorado para ser anunciado pelo Corinthians.

E assim Roger vai repetir a saga de 16 jogadores que já atuaram pelo “trio de ferro” paulista. O mais recente foi Rivaldo, que tinha passagens por Corinthians e Palmeiras na década de 90, e jogou pelo São Paulo em 2011.

Aliás, nas décadas de 90 e 2000 foi mais comum ver atletas defenderem os 3 times da capital: Antônio Carlos Zago, César Sampaio, Christian, Elivélton, Leandro Amaral, Luizão, Marcelo Ramos e Müller entraram para esse grupo nesta época.

Antes deles, apenas seis atletas tinham passado pelo “trio de ferro”: Elyseo (década de 30), Cláudio Cristóvão (décadas de 40 e 50), Lanzoninho, Dino Sani (décadas de 50 e 60), Édson Cegonha (décadas de 60 e 70), Denys e Neto (década de 80).

Entre todos esses jogadores, nem todos tiveram passagens marcantes pelos 3 times. Luizão e Elivélton podem se orgulhar disso, por exemplo. Já Roger, na verdade, buscará a primeira boa fase no “trio de ferro”. Se ele repetir o que fez no São Paulo e no Palmeiras, será um dos poucos a fracassar nos três clubes da capital.