‘Vai ser um jogo especial’, diz Rogério Ceni, às vésperas de reencontro com o Corinthians

  • Por Jovem Pan
  • 24/07/2019 16h40
João Dijorge/Estadão ConteúdoRogério Ceni é treinador do Fortaleza desde novembro de 2017

Como atleta, foram 97 jogos – com 21 vitórias, 21 empates e 25 derrotas. Como treinador? Duas derrotas e dois empates em quatro confrontos. O retrospecto, como os números mostram, não é lá tão bom. Mas, após dois anos, Rogério Ceni enfim reencontrará o Corinthians.

O clube que levou o 100º gol, mas que, por outro lado, mais balançou as redes do maior goleiro artilheiro da história (95 vezes) será o rival do Fortaleza no próximo domingo, às 19h (de Brasília), no Castelão.

E o jogo válido pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro será, nas palavras do próprio Ceni, “especial”. Em entrevista exclusiva ao locutor Nilson Cesar, da Rádio Jovem Pan, o comandante tricolor analisou o início de Brasileirão do Leão do Pici (o time é o 14º colocado), fez um balanço dos quase dois anos à frente do clube e projetou o importante duelo com o time que tanto cruzou o seu caminho ao longo de quase 30 anos de carreira.

Confira a entrevista exclusiva!

Após 11 rodadas, o Fortaleza soma quatro vitórias, dois empates e cinco derrotas no Campeonato Brasileiro. O time é o 14ª colocado e, neste momento, está a cinco pontos da zona de rebaixamento. Qual análise você faz desse início da equipe no Brasileirão?

Nós estamos firmes, trabalhando. Acho que o desempenho, para uma equipe que subiu da Série C para a B e da B para a A em dois anos, é razoável. Nós também estamos tentando nos reforçar nessa parte do ano. Era para ter acontecido um pouco antes, logicamente, mas estamos tentando fazer uma ou outra contratação mais pontual e recuperar alguns jogadores do departamento médico para que possamos alcançar o primeiro objetivo do ano, que é a permanência na Série A.

Após apenas seis meses de experiência como técnico do São Paulo, você aceitou o convite e se arriscou a comandar o Fortaleza na Série B. Qual é o balanço desses quase dois anos de trabalho?

Para mim, está sendo muito importante essa nova fase com o Fortaleza. É o meu segundo trabalho como treinador e já vou para 19 meses ininterruptos trabalhando aqui, o que é especial na carreira de qualquer técnico no Brasil. Conquistamos três títulos, e estou ganhando cada vez mais experiência, aprendendo muita coisa, podendo compartilhar muita coisa com todas as pessoas que trabalham no clube. Está sendo muito gratificante.

Qual é a sua expectativa para o jogo com o Corinthians, um rival que você já enfrentou tantas vezes ao longo da carreira como atleta?

Nós temos logicamente um padrão de jogo. Vamos ganhar algumas peças na semana que vem para possivelmente mudar esse estilo, mas, por enquanto, temos um jogo fixado, um padrão definido. É lógico que, quando você pega as grandes equipes do Brasil, são jogos especiais para um time que ficou tanto tempo longe da Série A. E temos de incluir o Corinthians entre essas grandes equipes, porque é uma equipe que marca muito bem, que joga para poucos gols, mas para poucos gols sofridos, também, o que dificulta muito. Vai ser um jogo especial, como são contra todos os times grandes, mas muito difícil.

O Fortaleza tem, neste momento, a quinta maior média de público do Brasileirão (26.045 pessoas por jogo). Está atrás apenas dos times que têm as quatro maiores torcidas do País (Flamengo, Corinthians, Palmeiras e São Paulo). O Castelão vai estar lotado no domingo? O que você tem a dizer sobre a torcida do Fortaleza?

A torcida aqui, sem dúvida nenhuma, é algo diferente, especial. O Castelão tem uma atmosfera muito bonita. Acredito que, no domingo, teremos entre 40 e 50 mil torcedores no estádio, e isso empurra o time, é um combustível para a gente. Sabemos que não é o que define o resultado de um jogo, mas é sempre gostoso ter o acolhimento do seu torcedor. Esperamos uma grande festa para o jogo contra o Corinthians.