Crianças e adolescentes são proibidas de entrarem no Ninho do Urubu

  • Por Jovem Pan
  • 13/02/2019 18h30 - Atualizado em 13/02/2019 18h43
Tomaz Silva/Agência BrasilNinho do Urubu

Cinco dias após um incêndio ter ocorrido no Ninho do Urubu e vitimado 10 atletas das categorias de base do Flamengo, a Justiça do Rio de Janeiro proibiu a entrada, permanência e participação de crianças e adolescentes nas dependências do centro de treinamento do clube rubro-negro.

A decisão tem caráter liminar e atendeu a uma ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público fluminense. Ela foi expedida pelo juiz Pedro Henrique Alves, da 1ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso. O magistrado estipulou a aplicação de uma multa de R$ 10 milhões ao Flamengo e de R$ 1 milhão ao presidente do clube, Rodolfo Landim, caso a decisão seja descumprida.

De acordo com o juiz, em fiscalizações anteriores ao incêndio foram identificadas diversas irregularidades “no tocante às acomodações, alimentação, atenção à saúde, à educação, acompanhamento pedagógico e psicológico, documentação de cada atleta, equipe profissional e convivência familiar e comunitária”.

Pedro Henrique Alves também ponderou que o clube havia se comprometido a resolver os problemas. “O então presidente do Clube de Regatas do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, solicitado, compareceu neste Juízo (no passado) e se comprometeu a sanar todas as irregularidades apontadas tanto pelo Ministério Público, quanto pelo Serviço de Fiscalização deste Juízo”.

Com informações de Agência Estado