Diego Costa revela mágoa com Felipão e explica motivo de escolha pela Espanha

  • Por Jovem Pan
  • 27/04/2020 12h54
EFEDiego Costa é centroavante do Atlético de Madri e da seleção espanhola

O atacante Diego Costa, do Atlético de Madrid e da Espanha, participou de uma entrevista no canal “ESPN Brasil”, na qual comentou sobre diversos momentos da carreira. O atleta, que nasceu no Brasil mas é naturalizado espanhol, falou sobre a escolha de defender a seleção do país europeu e também sobre um momento pitoresco: quando fez um tratamento com placenta de égua para jogar a final da Liga dos Campeões da Europa em 2014.

“Esse tratamento foi verdadeiro, enquanto me aplicavam as descargas elétricas na perna o médico fumou dois cigarros. Foi difícil e muito doloroso. Tanto que logo a seguir corri e não sentia qualquer tipo de dor. Foram duas horas de sessões antes de voltar ao hotel. Para mim, naquela época, não havia mais nada para além da final da Liga dos Campeões. Não pensei em mais nada. Nem no Mundial nem na temporada seguinte, só no jogo de Lisboa”, relatou o centroavante.

“Foi um dos momentos mais tristes da minha carreira. Antes de entrar em campo dei um salto e notei logo uma cãibra. Não conseguia acreditar. Tentei aguentar, mas não consegui continuar e antes dos 10 minutos tive de sair. Preferia não ter jogado e dar o meu lugar a outro colega”, completou Diego Costa. Na partida, o Atlético de Madrid saiu na frente, mas o Real Madrid empatou nos acréscimos do segundo tempo e fez três gols na prorrogação.

O jogador também falou sobre o processo que o levou a jogar pela seleção espanhola e não pela brasileira, deixando claro que tem uma certa mágoa com o técnico Felipão. Diego Costa foi chamado para dois amistosos, contra Itália e Rússia em 2013, e ficou fora das convocações seguintes. Na sequência, escolheu atuar pela Espanha.

“Aí depois do amistoso contra a Rússia ele falou que me convocaria de novo porque eu tinha tido poucos minutos. Não sei se foi só para passar a mão na minha cabeça… Depois tiveram outros amistosos. E machucou o Hulk, machucou o Fred e o Felipão não me convocava. Fiquei quieto, né? Teve a Copa das Confederações, não me convocou”, continuou Diego Costa.

“Surgiu a possibilidade da Espanha, eu aceitei. Como você vai dizer não? Aí quando saiu que eu aceitei, começaram a dizer que o Felipão me queria… Pô, não me ligou uma vez, como é que ele quer? Aí foi falar no Jornal Nacional que eu dei as costas para o sonho de milhões de brasileiros? Pelo amor de Deus, como é que vou dar as costas? Por que não fala que não me procurou? Por que não fala que não me convocou antes?”, questionou Diego Costa, que disputou as Copas de 2014 e 2018 pela seleção espanhola.

*Com informações do Estadão Conteúdo