Diretoria da Ponte Preta se reúne com Roger e quer liberar atacante

Ideias do treinador e chegada de novo atacante fazem com que artilheiro perca espaço

  • Por Jovem Pan
  • 05/08/2020 20h51
Fábio Leoni/Ponte Preta/DivulgaçãoRoger é o artilheiro da Ponte Preta no ano, com seis gols

A chegada de Zé Roberto, ex-Mirassol, deve acelerar a saída de Roger da Ponte Preta. O atacante de 35 anos tem contrato até dezembro de 2020, e a moral com a comissão técnica e diretoria não está das melhores. Na tarde desta quarta, as partes se reuniram para discutir o futuro do jogador.

O jogador deve se encontrar novamente com os dirigentes nos próximos dias para que as partes cheguem a um acordo. A diretoria deve buscar um novo clube para Roger, cogitando a rescisão contratual como última alternativa. A ida a um culto durante a quarentena causou certo desgaste junto à diretoria da Macaca. Além disso, João Brigatti parece querer apostar em um ataque leve e de mais movimentação.

Artilheiro da Ponte em 2020 com seis gols, e artilheiro do clube no século, com 67, Roger disputou 201 partidas com a camisa alvinegra em suas cinco passagens. Apesar dos bons números, o atacante vive um caso de amor e ódio com os torcedores, e é o principal alvo de críticas quando o time não está bem em campo.

Caso a saída de Roger seja confirmada, a diretoria deve ir atrás de um novo centroavante, pois Brigatti ficaria apenas com Zé Roberto e Alisson Safira. Nesta quinta, a Macaca comunicou também a saída do zagueiro Henrique Trevisan, que teve retorno pedido pelo Estoril, de Portugal.

Eliminado pelo Palmeiras do Campeonato Paulista, a Ponte foca suas atenções para a Série B do Brasileiro. A estreia vai acontecer diante do América-MG, sábado, às 21h, no Canindé.

* Com Estadão Conteúdo